Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

COB rebate clubes antes de Conselho

COB rebate clubes antes de Conselho

Redação em São Paulo - SP Publicado em 03/02/2009, às 08h00 - Atualizado às 10h00

Os oito principais clubes formadores de atletas do Brasil estão preparando os últimos detalhes para o lançamento do seu Conselho, que vai reivindicar abertamente parte dos recursos da lei Agnelo-Piva. O evento acontecerá somente nesta terça-feira, na sede do Pinheiros, mas já gerou respostas ácidas do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) principal beneficiado pelos recursos da verba federal. Em nota oficial, a entidade ?explicou? o destino do aporte, que teria chegado a cerca de R$ 259,4 milhões no ciclo olímpico passado. A justificativa do COB se baseia em uma ligação indireta e questionável. Segundo a associação, os clubes seriam beneficiados pela contratação de técnicos estrangeiros, comissões multidisciplinares, aquisição de aparelhos importados, manutenção de centros de treinamento, interc"mbios e viabilização de participações em competições nacionais e internacionais. Todas, no entanto, feitas pelas respectivas confederações. Segundo a nota do COB, todas as benesses listadas seriam traduzidas em benefícios para os clubes, que também se qualificariam para aquisição de novos patrocínios. A argumentação das agremiações, porém, continua sendo válida. Flamengo, Corinthians, Fluminense, Vasco, Pinheiros, Minas Tênis, Sogipa e Grêmio Náutico União, que compõem o Conselho, entendem que tudo isso favorece apenas as seleções nacionais. Esses ?times? não expõem a marca dos clubes em praticamente nenhuma competição, o que não viabiliza a presença de investidores. No fim do documento, a entidade vai ainda mais longe. ?O COB diz que ?estimula que os clubes busquem recursos financeiros para manterem suas atividades esportivas de competição, mas ressalta a necessidade de se buscar os caminhos adequados para isso, como, por exemplo, recursos da Lei de Incentivo ao Esporte?, diz a nota. ?A Lei Agnelo/Piva é fundamental para o desenvolvimento do esporte olímpico brasileiro, mas ela não é suficiente, pois corresponde a apenas 1/3 das necessidades e menos de 1/10 do investimento em esportes olímpicos de outros países, como Austrália, Grã Bretanha, Alemanha, China...?, conclui o COB. A afirmação, porém, também é contestável. A comparação com grandes potências foi apresentada pela primeira vez em novembro de 2008, durante audiência na C"mara dos Deputados. Na ocasião, o COB mostrou um orçamento público de R$ 288 milhões (US$ 123,9 mi), que inclui apenas a verba da Lei Agnelo/Piva, contra US$ 1 bilhão (R$ 2,3 bi) de Grã-Bretanha e US$ 2 bilhões (R$ 4,6 bi) da China. O levantamento da entidade brasileira, porém, esquece de outras fontes de receita provenientes do Governo. Antes dos Jogos Olímpicos de Pequim, a Máquina do Esporte fez seu próprio ?desenho? das verbas públicas para a delegação, e chegou à marca de R$ 564,5 milhões somente para o COB. O número inclui, além da verba da Lei Agnelo/Piva, dinheiro do Bolsa Atleta (R$ 72,8 mi), o projeto aprovado na Lei de Incentivo ao Esporte (R$ 26 mi) e o projeto Brasil Campeão (R$ 206,2 mi, usados na preparação para o Pan de 2007). Se as verbas de patrocínios de estatais forem incluídas na conta, o valor total de investimentos públicos no último ciclo olímpico fica em torno de R$ 900. Petrobras (R$ 2,8 mi), Correios (R$ 30,5 mi), Infraero (R$ 2,4 mi), Eletrobrás (R$ 30 mi), Caixa (R$ 78,1 mi) e Banco do Brasil (R$ 209 mi) também apoiaram confederações e atletas.