Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Com Fluminense, Frescatto estreia em patrocínio ao futebol

Empresa de congelados espera aumentar vendas e visibilidade de marca com apoio a time do Rio

Adalberto Leister Filho - São Paulo (SP) Publicado em 19/01/2015, às 08h22 - Atualizado às 10h22

Imagem Com Fluminense, Frescatto estreia em patrocínio ao futebol

Conca, em jogo da Florida Cup contra o Bayer Leverkusen

O patrocínio ao Fluminense é a primeira vez a Frescatto, marca de peixes e frutos do mar congelados, investe em futebol. A empresa, que comemorou 70 anos em 2014, já patrocinou o judoca Flávio Canto por quatro anos e há dois apoia o projeto esportivo Atletas Inteligentes, coordenado pela ex-jogadora de vôlei de praia Jackie Silva em Duque de Caxias (Baixada Fluminense).

“O Fluminense é uma excelente vitrine para aumentarmos o conhecimento da marca pelo público”, afirma Mariana Vilela, gerente de marketing da Frescatto, em entrevista à Máquina do Esporte.

O acordo com o Fluminense também prevê a exposição da marca em backdrops, placas publicitárias no campo das Laranjeiras e outras ações de marketing dentro e fora do clube, com a participação dos jogadores. O Fluminense ainda não está usando o logo da Frescatto na camisa durante a Florida Cup, torneio amistoso da pré-temporada. A data de estreia do novo apoio ainda não foi divulgada. 

O contrato é válido por um ano, com possibilidade de renovação por mais um. Pelo acordo, a Frescatto irá estampar seu logo nos ombros da camisa que será utilizada tanto no Campeonato Estadual do Rio como no Brasileirão.

A expectativa é o aumento das vendas com a visibilidade das ações com o clube carioca. A   empresa possui fábricas no Rio de Janeiro e em João Pessoa (PB), além filiais em São Paulo, Curitiba, Belo Horizonte, Recife, Brasília e Porto Alegre. “No ano passado aumentamos as instalações na capital paulista, que ampliaram em quatro vezes a capacidade de armazenamento e distribuição em São Paulo”, conta Mariana.