Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Com tecnologia, Santander faz dinheiro "sumir" no Rio Open

Em 2020, torneio aboliu circulação de dinheiro físico para comidas e bebidas

Wagner Giannella - Rio de Janeiro (RJ) Publicado em 20/02/2020, às 08h15 - Atualizado às 11h15

Imagem Com tecnologia, Santander faz dinheiro "sumir" no Rio Open

A edição 2020 do Rio Open ainda está na metade, mas já pode ser considerada a mais tecnológica da história do torneio, que neste ano completa sete anos de existência. Basta o fã de tênis caminhar pelo complexo montado no Jockey Club Brasileiro, na zona sul do Rio de Janeiro, para "tropeçar" em alguma ativação de marca com um viés tecnológico. No entanto, há uma que acaba chamando atenção um pouco mais que as outras.

Em 2020, o Rio Open se tornou adepto da "era cashless". A palavra se autodefine da melhor maneira possível. Em tradução livre, "cashless" quer dizer "sem dinheiro" em português. E é isso mesmo: quem vai ao torneio e quer consumir qualquer tipo de comida ou bebida, tem que fazê-lo sem o uso do dinheiro físico ou cartões de débito e crédito.

A ideia parece complexa, mas é simples. Assim que decidir consumir alguma coisa, basta ao interessado ir a um caixa (fixo ou móvel) e pegar uma pulseira que efetua pagamentos por aproximação. O atendente fará um cadastro e carregará a pulseira com o valor que o cliente quiser, pagando com dinheiro, débito ou crédito (caixas fixos) e débito ou crédito (caixas móveis). Não há valor mínimo a ser colocado. A pulseira vale por todo o evento e pode ser recarregada quantas vezes forem necessárias.

Foto: Divulgação / Rio Open

"A cada edição buscamos por algo inovador para implementar no Rio Open. O sistema cashless desenvolvido pela Intellitix é uma dessas inovações. Ele marca um novo ciclo que melhora a experiência para o público e traz mais tecnologia ao evento", destacou Marcia Casz, diretora geral do Rio Open.

Para que a ideia dê certo, no entanto, são necessárias máquinas que "leiam" a pulseira, algo parecido com as máquinas que "leem" cartões de débito ou crédito. No Rio Open, elas são da Getnet, empresa de tecnologia do Santander, que desenvolveu o dispositivo, batizado de Santander Pass, que aceita pagamento por aproximação.

Foto: Divulgação / Rio Open

Patrocinador do torneio pelo segundo ano seguido, o banco ainda está aproveitando a oportunidade para promover a própria tecnologia. Durante o torneio, correntistas e não correntistas que tenham um cartão de crédito do Santander podem adquirir uma pulseira ou uma tag para relógio que permitem o pagamento por aproximação com 40% de desconto. Já os interessados em adquirir um cartão do Santander têm à disposição a opção com tecnologia contactless ou NFC (Near Field Communication), recém-lançada pelo banco, que também permite o pagamento por aproximação.

A tecnologia ainda dá ao cliente a oportunidade de acompanhar o consumo pelo celular, recebendo notificações por e-mail a cada transação. Os extratos de consumo e de recargas ficam disponíveis para visualização em um site dedicado exclusivamente para isso.

De acordo com o Santander, a tecnologia está sendo usada em um evento esportivo patrocinado pelo banco pela primeira vez no Brasil. A empresa, no entanto, já utiliza a funcionalidade em outros eventos, como o Taste of São Paulo, considerado um dos melhores festivais de gastronomia do mundo. O evento gastronômico, assim como o Rio Open, é organizado pela IMM Esporte e Entretenimento.