Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

"Compliance no esporte", com Kroll, consultoria de investigações corporativas

Painel teve, além da Kroll, representantes do Pacto Pelo Esporte e da CBRu

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 28/11/2018, às 11h55

Imagem "Compliance no esporte", com Kroll, consultoria de investigações corporativas

O segundo painel do 1o Fórum Máquina do Esporte teve como tema o "Compliance no esporte". Mediado por Ian Cook, diretor da consultoria especializada em investigações corporativas Kroll, o debate contou com as presenças de Daniela Castro, do movimento Pacto Pelo Esporte, e Agustín Danza, CEO da Confederação Brasileira de Rúgbi (CBRu).

Antes de qualquer coisa, uma explicação. Para quem não sabe, nos âmbitos institucional e corporativo, compliance é "o conjunto de disciplinas para fazer cumprir normas legais e regulamentares, políticas e diretrizes estabelecidas para um negócio e para as atividades de uma instituição ou uma empresa, bem como evitar, detectar e tratar qualquer desvio ou inconformidade que possa ocorrer".

Em sua apresentação, Ian Cook comentou alguns casos em que a Kroll foi contratada para investigar determinadas situações no esporte brasileiro. Por aqui, um dos casos mais conhecidos foi a final do Campeonato Paulista de 2018 entre Palmeiras e Corinthians. A empresa analisou toda a situação que envolveu a arbitragem e a possibilidade de haver existido interferência externa em um pênalti marcado e depois desmarcado a favor do Palmeiras no segundo jogo da decisão.

"Hoje, somos contratados para diversas situações. Uma delas é quando um clube vai contratar um jogador. Somos responsáveis por analisar o que aquele atleta costuma fazer em suas redes sociais, se ele será um bom influenciador para aquele time e para aquelas marcas que patrocinam o clube em questão", contou Cook.

Em seguida, Daniela Castro explicou o papel do movimento Pacto Pelo Esporte, que é um acordo entre mais de 30 empresas patrocinadoras do esporte brasileiro com o objetivo de contribuir para a cultura e a prática de uma gestão profissional, moderna e eficiente do segmento. A iniciativa, inédita no mundo, foi promovida pela Atletas pelo Brasil, entidade formada por esportistas e ex-atletas de diferentes modalidades e gerações que lutam pelo desenvolvimento do esporte e do país.

Por último, Agustín Danza falou sobre os objetivos da CBRu desde 2010. Além de apoiar e estimular o desenvolvimento do rúgbi no país (já são mais de 30 milhões de interessados no esporte por aqui), a confederação tenta dar exemplo de governança fora dos gramados, seguindo sempre os conceitos de compliance no esporte.

A discussão girou em torno da importância que as marcas dão atualmente para a transparência e em não estarem ligadas a algum clube, atleta ou até confederação que estejam envolvidos em escândalos, em especial de corrupção. O patrocinador está cada vez mais preocupado na questão reputacional. É primordial não ter a marca ligada a algo que seja criticado pela sociedade.

Outro fator destacado foi o lado político, que tem aparecido cada vez mais em questões de compliance. Já há algum tempo, as empresas, clubes e federações estão preocupados em saber lidar com a situação de ter alguém politicamente exposto dentro da própria associação. A credibilidade da entidade precisa ser colocada como prioridade sempre e, por isso, é necessário que aquela determinada pessoa jamais esteja envolvida em corrupção ou outros tipos de atos ilícitos.

"Somos cuidadosos na escolha de parceiros. Procuramos escolher e nos unir àqueles que possuem credibilidade, porque sempre damos prioridade a acordos de longo prazo. Queremos sempre estar aliados a empresas que compartilham nossos valores e com quem consigamos ter realmente verdadeiras parcerias", resumiu Agustín Danza.