Confederações tratam Petrobras como presente

Boxe será uma das modalidades beneficiadas por programa da Petrobras

Boxe será uma das modalidades beneficiadas por programa da Petrobras

Boxe, Esgrima, Levantamento de Peso, Remo e Taekwondo são as cinco modalidades olímpicas que receberão recursos do novo projeto esportivo criado pela Petrobras. Trata-se de uma iniciativa da companhia estatal para fomentar a preparação de atletas com foco nos Jogos Olímpicos de 2016, que acontecerão no Rio de Janeiro. Mas graças ao aporte e ao histórico, o modelo do negócio importa pouco para as confederações.

As cinco entidades agraciadas não têm qualquer lastro de parcerias desse porte. O projeto da Petrobras, portanto, é o maior incentivo que elas já receberam para estruturar um plano de formação de atletas.

“É um novo formato, e isso é importante. Ainda vamos ajustar muitas coisas de acordo com o andamento, mas estamos muito felizes. Eu nunca tinha tido um patrocínio assim”, disse Luiz Cláudio Braga Boselli, presidente da Confederação Brasileira de Boxe.

Ricardo Mesquita Calmon, mandatário da Confederação Brasileira de Levantamento de Peso, endossou o tom: “É um gesto importante da Petrobras e do governo federal. Eles estão ajudando a quem realmente precisa”.

As confederações que serão agraciadas participaram da formatação do projeto, que terá os recursos de alto rendimento geridos pelo instituto Passe de Mágica, da ex-jogadora de basquete Paula. No entanto, o histórico pobre em termos de aportes da iniciativa privada fez com que o modelo do plano passasse a ser apenas um detalhe.

“O importante é que teremos mais recursos para desenvolver o esporte no país. Nós não tínhamos nem isso”, lembrou Boselli.

Até 2014, as cinco modalidades terão investimento de R$ 101 milhões. A ideia da Petrobras é que esse montante seja destinado à formação de atletas em curto prazo, com foco em 2016.

A escolha das modalidades agraciadas foi feita com base em três critérios: o nível técnico, a quantidade de medalhas que cada uma disputa nos Jogos Olímpicos e a presença de presidentes em primeiro mandato nas confederações. O handebol, que já teve patrocínio da Petrobras anteriormente, podia fazer parte do plano. Contudo, dirigentes da modalidade rechaçaram receber recursos via Lei de Incentivo ao Esporte.