Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Consumo define peso da crise para clubes

Consumo define peso da crise para clubes

Gustavo Franceschini em São Paulo - SP Publicado em 13/02/2009, às 19h00

A divulgação da pesquisa Deloitte Money League, feita pela empresa de consultoria brit"nica, não refletiu totalmente o peso da crise financeira nos clubes europeus, mas essa influência ainda pode ser dissipada até o próximo resultado. Até o fim da temporada 2008/09, as agremiações poderão manter o nível de arrecadação se segurarem o nível de consumo de seus torcedores. A avaliação é de Amir Somoggi, especialista da Casual Auditores Independentes, que entende que a instabilidade econômica, se não impediu o crescimento da renda dos clubes, diminuiu o peso da ascensão inglesa. ?A libra foi muito desvalorizada em relação ao euro, a própria Deloitte disse isso. Se não fosse isso, o Manchester seria o primeiro. E, por causa disso, a soma dos 20 primeiros não atingiu os 4 bilhões de euros, que era o número que eu esperava?, disse Somoggi. ?Agora, o próximo ano vai depender de uma manutenção do volume de consumo relacionado ao futebol. Além disso, os clubes também contam que as empresas que estão comprometidas não irão falir?, acrescentou. A relação com a crise é explicada pelo período da aferição da Deloitte, que leva em consideração o ano fiscal 2007/08. Logo após essa época, a quebra do banco de investimentos Lehman Brother deu início ao agravamento da situação financeira. O temor pela saúda financeira, no entanto, pode ser concretizado nos clubes brasileiros. Segundo Somoggi, o novo contrato de direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro com a Globo, assinado antes da explosão negativa do mercado, vai garantir a situação. ?Foi uma sorte enorme. O valor é maior que o anterior e vai entrar na conta dos clubes de qualquer jeito. Nós, da Casual, estamos prevendo um crescimento muito grande?, avaliou.