Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Contra gastança, China impõe limite de gastos a clubes

Federação decide intervir e estipula teto de salários e investimento às equipes

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 02/01/2020, às 08h23 - Atualizado às 11h23

Imagem Contra gastança, China impõe limite de gastos a clubes

A Associação Chinesa de Futebol decidiu intervir na maneira como os clubes estavam gerindo seus caixas. A partir de 2020, o futebol chinês terá de se submeter a uma série de restrições orçamentárias com o objetivo de reduzir o déficit das equipes.

As novidades foram divulgadas na última semana de dezembro pela entidade e passarão a valer para todos os clubes que disputam a Superliga Chinesa. A partir de agora, os clubes poderão investir no máximo US$ 160 milhões por ano e, ainda, não poderão ultrapassar 60% desses gastos com salários.

Meia brasileiro Oscar joga na China / © Divulgação

Haverá ainda um teto de US$ 3,3 milhões para salários anuais de jogadores estrangeiros e US$ 1,5 milhão para chineses. A medida tenta evitar o prejuízo que alguns times têm registrado nos últimos anos.

"Nossos clubes gastaram muito dinheiro e nosso futebol profissional não foi executado de maneira sustentável. Se não tomarmos medidas oportunas, receio que entre em colapso", declarou à rede de notícias Xinhua Chen Xuyuan, presidente da Associação Chinesa de Futebol.

As medidas também procuram dar mais espaço a jogadores chineses dentro dos times, auxiliando no desenvolvimento do futebol no país. A partir desta temporada, os clubes podem comprar até cinco jogadores estrangeiros, mas podem jogar apenas quatro em qualquer partida.

A entidade também criou novas regras sobre jogadores naturalizados chineses. Atletas que nasceram na China ou têm ascendência chinesa não serão considerados estrangeiros. Jogadores que têm cidadania chinesa há mais de cinco anos ou são elegíveis para jogar pela seleção também ficarão fora dessa cota.

De acordo com a imprensa chinesa, ainda existe uma brecha à legislação criada, que é montar um modelo de bonificação por desempenho aos atletas estrangeiros, já que as novas regras não falam sobre pagamento-extra aos jogadores.