Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Contrato milionário de Premier League gera crise no futebol espanhol

Clubes menores reivindicam distribuição mais igualitária de direitos de TV e ameaçam greve no Campeonato Espanhol

Adalberto Leister Filho - São Paulo (SP) Publicado em 13/02/2015, às 09h15 - Atualizado às 11h15

Imagem Contrato milionário de Premier League gera crise no futebol espanhol

Jogadores do Villarreal comemoram gol durante o Campeonato Espanhol

Após a divulgação do novo contrato da Premier League, nesta semana, cresceu o grau de insatisfação dos clubes menores da Espanha com a venda individualizada dos direitos de TV. As equipes pedem uma regulamentação do governo sobre o assunto.

“Os clubes espanhóis estão perdendo centenas de milhões de euros, o que representa um futuro complicadíssimo para o futebol do país”, reclamou, em entrevista à agência EFE, Javier Tebas, presidente da LFP (Liga de Futebol Profissional), sobre o atraso na aprovação do Real Decreto, que impões a venda centralizada dos direitos de transmissão das competições.

O modelo atual só beneficia Barcelona e Real Madrid. Para o dirigente, caso a venda seja casada, é possível que o valor atual, de € 800 milhões por ano, seja multiplicado, garantindo uma maior igualdade entre os clubes e multiplicando o valor dos acordos. Os clubes espanhóis se mostraram especialmente insatisfeitos após a divulgação do contrato de TV da Premier League, assinado com a Sky e a BT, de € 6,946 bilhões (R$ 22,4 bilhões) por três anos.

“O Real Decreto nos ajudaria a crescer, mesmo que não possamos chegar perto desses valores porque conseguir 15 milhões de assinantes na TV fechada não se faz nem em 5, nem em 6, nem em 7 anos”, analisa Tebas, lembrando que a TV a cabo no país conta com apenas 4,5 milhões de pagantes.

Para ele, a ausência de uma norma que estabelece o método de comercialização e repartição de faturamento, limitará o crescimento da Liga Espanhola. “Estamos em uma encruzilhada histórica. Ou reagimos com o Real Decreto de venda centralizada ou o futebol espanhol vai ser de quinta categoria”, exagerou.

Após o vantajoso acordo alcançado pela Premier League, os clubes com menor cota de TV ainda assim receberão cota semelhante às de Barcelona e Real Madrid atualmente (€ 140 milhões). “Teremos novo êxodo de jogadores. Nosso torneio vai se desvalorizar”, prevê o dirigente. “Quando formos vender nossos direitos de TV, os grandes operadores mundiais já terão gastado seus orçamentos em uma competição importantíssima como é a da Inglaterra”, lamentou.

Tebas estabeleceu um prazo de duas semanas para a aprovação do Real Decreto. Caso contrário, pode haver inclusive greve dos clubes. “Não descarto nenhum tipo de medida. Só nos resta esperar que essa decisão seja tomada, para o bem do futebol, dos torcedores e do esporte espanhol”, disse Tebas.

A ideia de parar o Campeonato Espanhol já foi defendida por alguns dirigentes de clube, como Jean Collet, presidente do Espanyol, que disse ter o apoio de outras equipes. “Esse decreto-lei não sai e pelo menos no esporte a capacidade de fazer ridículo deste governo não tem limite”, diz o dirigente.