Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Controle do Castelão vai parar na Justiça após governo vetar Luarenas

Estado alega que há 'deficiências graves' na gestão; empresa diz que já levou mais de 450 mil torcedores ao estádio

Erich Beting e Duda Lopes - São Paulo (SP) Publicado em 24/11/2014, às 11h02

Imagem Controle do Castelão vai parar na Justiça após governo vetar Luarenas

O controle da Arena Castelão, um dos novos estádios erguidos para a Copa do Mundo, virou caso de Justiça. Na última sexta-feira, o governo do Ceará decidiu retomar a gestão do estádio, retirando do controle o consórcio Luarenas (formado pela agência Lagardère e BWA).

No sábado, a empresa que gerencia o estádio afirmou que recorrerá à Justiça para acabar com a intevenção e retomar as operações no estádio cearense.

Leia mais:

O perigoso recado que CE manda com a Arena Castelão

O governo cearense alega que há “deficiências graves” na gestão, inclusive com riscos à segurança das pessoas.

Em sua defesa, a Luarenas diz ter já levado mais de 450 mil torcedores nos jogos administrados por ela no estádio.

Em entrevista à Máquina do Esporte antes da intervenção, o CEO da Luarenas, Aymeric Magne, revelou um começo ainda difícil na gestão do estádio.

“As empresas ainda estão assustadas. Elas mantêm a parte de mídia, e há menos para ações B2C e B2B. Mas as marcas estão mudando para algo novo, e arena é um lugar para tocar clientes”, afirmou Magne, explicando o foco da empresa de buscar os pacotes de hospitalidade para o estádio.

Uma das primeiras medidas tomadas pela Luarenas quando assumiu o estádio, em abril passado, foi acabar com a exclusividade do Ceará no espaço, ampliando o uso ao Fortaleza.

A intervenção do estádio por parte do governo do Ceará tem prazo inicial de 30 dias, podendo ser estendida por 180 dias.