Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Copa intensifica segurança, mas não por decisão

Guilherme Costa em em Johanesburgo (África do Sul) Publicado em 11/07/2010, às 17h00

A África do Sul recebeu no domingo o último e mais importante jogo da Copa do Mundo de 2010. O estádio Soccer City teve segurança reforçada para a decisão entre Holanda e Espanha, que conquistou o título pela primeira vez em sua história. Mas não por causa do jogo. O grande motivo para o local ter adotado padrões mais rígidos foi a presença de Nelson Mandela.

Oito dias antes de completar 92 anos, Mandela foi ao estádio para participar da cerimônia de encerramento da Copa do Mundo. Ele surgiu às 19h14, acompanhado da mulher, e percorreu o Soccer City em um carrinho de golfe. Foi saudado com gritos de “Madiba” oriundos das arquibancadas.

A aparição do líder político, grande artífice da luta pela redemocratização da África do Sul e primeiro presidente eleito em votação livre no país, mobilizou um aparato especial de segurança. Esse foi o principal motivo de o estádio Soccer City ter adotado padrões mais rígidos do que em jogos anteriores.

Também pesou para a postura mais rígida da segurança a enorme quantidade de pessoas que tentaram burlar as entradas do estádio. Houve torcedores com ingressos falsos e a polícia apreendeu até cópias de credencial de imprensa.

A credencial de mídia dá acesso ao estádio, mas não às tribunas. Para isso, é necessário um ingresso específico, distribuído pela Fifa no dia do jogo aos profissionais. A decisão da Copa do Mundo, contudo, foi a única partida em que esse bilhete foi exigido já nos portões da arena.

Questionados sobre o porquê da mudança de procedimento, policiais militares que faziam a segurança na porta não souberam responder. Um funcionário do estádio que fiscalizava a veracidade de credenciais e ingressos sintetizou em uma pergunta: “Você sabe quem está lá dentro?”.

Entretanto, a segurança mais rígida não funcionou durante todo o jogo. Policiais que guardavam os portões antes de a partida começar e no primeiro tempo já tinham postura mais amena na etapa final. Durante a prorrogação, deixaram seus postos e escancararam a entrada.

Minutos antes de o jogo começar, também houve uma quebra de segurança na área interna. Um torcedor conseguiu invadir área proibida e correu na direção da taça da Copa do Mundo, que fica na beira do gramado. Foi contido  antes de conseguir tocar no artefato.