Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Copa vivencia drama do futebol do Brasil

Copa vivencia drama do futebol do Brasil

Guilherme Costa em São Paulo - SP Publicado em 16/06/2010, às 09h00 - Atualizado às 12h00

Você chega às imediações do estádio mais de duas horas antes de o jogo começar, mas fica parado em uma imensa fila de carros imóveis e não tem alternativa. Quando a velocidade dos carros diminui, surgem os primeiros flanelinhas, que se oferecem para tomar conta de veículos estacionados na rua e trabalham diante do olhar permissivo de policiais militares. Nas entradas, muita aglomeração, filas totalmente desordenadas e cambistas anunciando venda de entradas para praticamente todos os setores. Dentro da arena, comércio ambulante, telão quebrado e lugares vazios. O cenário descreve perfeitamente uma partida de futebol no Brasil, mas foi visto na estreia da seleção nacional na Copa do Mundo de 2010, contra a Coreia do Norte, em Johanesburgo. Sede da competição, a África do Sul não conseguiu solucionar problemas de gestão que atormentam o país pentacampeão. A despeito de a Copa do Mundo ser organizada pela Fifa, autoridades da cidade que sedia o jogo assumem a segurança e o direcionamento do tr"nsito no perímetro externo do estádio. Policiais militares, oficiais de tr"nsito e guarda montada fecham ruas, indicam os melhores caminhos e fiscalizam o entorno. O número de carros em direção ao estádio é enorme. Com ruas fechadas e alguns dos veículos tentando estacionar, o tr"nsito começa a ficar progressivamente mais lento até atingir a parada total. O tr"nsito é reflexo de um problema que aflige África do Sul e Brasil: a falta de transporte público. Não há alternativa para ir aos estádios sem usar um carro ou van. Com todos os torcedores disputando os mesmos caminhos, o entupimento soa até natural. No estádio Ellis Park, onde o Brasil encarou a Coreia do Norte, surge um personagem que não havia encontrado espaço em eventos do Soccer City. Ao contrário da arena que abrigou a abertura da Copa, situada em uma área aberta e com muitas vagas de estacionamento, o palco da estreia canarinho comporta um número pequeno de veículos. Isso mobilizou um grande número de guardadores de carros na última terça-feira. Após rechaçar as propostas dos flanelinhas, donos de abordagens muito similares às dos brasileiros, o desafio é entrar no estádio. Os portões visualizados tinham filas e aglomerações de público. Durante a espera, cambistas abordavam o público livremente. Outro fator que contribuiu para o surgimento de um novo personagem na história foi o frio. O jogo entre Brasil e Coreia do Norte foi disputado com temperatura próxima de 0º, mas os bares dos estádios só comercializam bebidas geladas da Coca-Cola. A solução foi um ambulante percorrer as arcadas do Ellis Park vendendo café (ao contrário do futebol pentacampeão, esse senhor não chegou a andar entre as arquibancadas). O interior do estádio ainda teve um problema com um dos telões. Os dois funcionavam normalmente no início da transmissão, mas o aparato situado à esquerda das cabines de transmissão parou de funcionar antes de o jogo começar. A imagem não foi reestabelecida. Talvez pelo tr"nsito, pelos problemas de gestão ou simplesmente pelo frio, o fato é que a estreia do Brasil também teve muitos lugares que não foram preenchidos. Os maiores clarões no Ellis Park, que comporta 55.686 espectadores e teve 54.331 pessoas, foram vistos em camarotes e na tribuna de honra.