Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Corinthians aposta em licenças para outros esportes

Marca do clube fica em evidência para outros públicos sem comprometer orçamento

Duda Lopes - São Paulo (SP) Publicado em 12/12/2018, às 07h33 - Atualizado às 09h33

Imagem Corinthians aposta em licenças para outros esportes

O Corinthians apresentou nesta semana uma equipe de ciclismo, graças a um acordo com a marca Audax. Dessa maneira, em janeiro de 2019, a marca do time estará estampada nas bicicletas em uma equipe que conseguiu bons resultados. A linha de parceria tem sido adotada pela atual gestão para ampliar a presença em outros esportes, sem comprometer o orçamento.

A aposta é simples: avaliar um parceiro que seja confiável e ceder a marca, como um licenciamento. É o que será feito com a Audax, empresa de bicicletas que pertence ao grupo da Houston Bike. Quem ficar com o clube paulista pode contar com a força da torcida e da exposição que a equipe garante.

"Nós avaliamos as propostas para termos o mínimo risco possível. E, com as licenças, o Corinthians não gasta nada. Ao contrário, se houver novos patrocínios, o clube pode receber com o projeto", contou o diretor de esportes terrestres da equipe paulista, Donato Votta, em conversa com a Máquina do Esporte.

Foto: Divulgação / Corinthians

Já há no clube uma série de projetos do tipo, especialmente com esportes paralímpicos, como futebol, basquete e triatlo. Há também iniciativas no alto rendimento, como é o caso do vôlei. Em 2017, com o medalhista olímpico Serginho, o Corinthians se uniu à Prefeitura de Guarulhos de olho na Superliga. A iniciativa foi renovada neste ano, coloca a marca do clube em evidência e não gera gastos.

Há duas grandes exceções na estratégia corintiana. A primeira é o futsal, que conta com patrocínios de empresas como Magnus e Unip, mas que ainda não fecha a conta. O segundo é o time de basquete, recuperado recentemente. A equipe já disputa o Novo Basquete Brasil (NBB), mas ainda não tem um grande aporte.

"São equipes que o Corinthians, pela grandeza do clube, tem que manter. O desafio é equilibrar as contas e deixar os projetos cada vez menos custosos, com mais receitas”, comentou Votta, em referência aos déficits recentes apresentados pelo setor social nas prestações de contas do clube paulista.

LEIA MAIS: Análise: Outros esportes não podem sugar futebol

Segundo o dirigente, futsal e basquete são duas equipes que geram custos que o clube "estrategicamente assume". O primeiro, pela relação próxima da base com o futebol profissional, pois há migração de jovens atletas das quadras para os campos.

Já o basquete está na expectativa de ser mais rentável, graças à exposição gerada pelo NBB. Esta é apenas a primeira temporada da equipe no torneio nacional, e o clube já tem negociações mais avançadas para patrocínios ao time masculino.