Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Dono do Fulham defende teto salarial

Dono do Fulham defende teto salarial

Redação em São Paulo - SP Publicado em 20/01/2009, às 11h00

A movimentação mundial em torno da proposta feita ao meia Kaká pelo Manchester City começa a gerar protestos de outros proprietários de clubes ingleses. Assustado com a inflação do mercado que a contratação do meia do Milan poderia gerar na Premier League, Mohamed Al-Fayed, dono do Fulham, pediu um controle maior no setor. ?Isso é uma má notícia para o futebol porque é loucura. Tudo isso está nas mãos da Premier League e da Federação Inglesa [FA]. Eles têm o poder de não aceitar as coisas como elas estão?, disse o egípcio, em entrevista à ?BBC?. A idéia do magnata é que um teto para salários e transferência no futebol inglês seja estipulado rapidamente. A proposta do Manchester City para o Milan foi de cerca de 100 milhões de libras (R$ 338 mi), com ordenados entre 250 e 500 mil libras (R$ 845 mil e R$ 1,6 mi) por semana. A criação de um teto salarial não é novidade no esporte. Nos Estados Unidos, a prática é comum nas principais ligas do país. A NBA, do basquete, é uma liga que tem limite de gastos com salários para as franquias. Da mesma forma, a MLS, que organiza o futebol no país, estipula um controle para o pagamento dos ordenados dos jogadores. No ano passado, a contratação de David Beckham pelo Los Angeles Galaxy só foi permitida após alteração na regra do torneio para o limite salarial. A manobra passou a ser chamada nos EUA de "Lei Beckham". Dono do Fulham desde 1997, Mohamed Al-Fayed é um dos magnatas proprietários de clubes ingleses mais discretos. Apesar de ser considerado um dos homens mais ricos do mundo, Fayed mantém uma ligação afetiva com o clube. Sua transferência mais cara no período à frente do Fulham custou 11 milhões de libras (R$ 37,2 mi), na aquisição de Steve Marlet, ex-Lyon (França), em 2001.