Eleições devem diminuir inadimplência no Vasco

"Não temos meta, mas é natural que os atrasos caiam", diz diretor

As eleições presidenciais do Vasco, marcadas para o início de abril, têm movimentado especulações sobre candidatos, conturbado o clima político do clube e, em meio à temporada, possivelmente irão prejudicar o desempenho da equipe dentro de campo. Ao marketing, entretanto, a escolha do mandatário pode causar efeitos positivos.

Com 57 mil sócios cadastrados no programa "O Vasco É Meu", apenas dez mil estão com mensalidades em dia, segundo números informados pela diretoria de marketing à Máquina do Esporte. O péssimo desempenho na Taça Guanabara, primeiro turno do Campeonato Carioca, contribuiu para que a inadimplência disparasse.

Caso associados queiram ter direito a voto, contudo, terão de regularizar a situação muito em breve. "As eleições trazem mais mídia, porque os meios de comunicação abordam esse tema, e, bem ou mal, é um grande ativo poder votar", resume Marcos Blanco, diretor de marketing do time. "Não temos meta, mas é natural que os atrasos caiam".

Por enquanto, a equipe carioca já tem quatro nomes dispostos a assumir a presidência. Além de Roberto Dinamite, atual mandatário do Vasco, José Henrique Coelho, Leonardo Gonçalves e Nelson Medrado Dias pretendem disputar no pleito. Eurico Miranda, antigo presidente, optou por não lançar candidatura própria.