Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Em busca de modernização, basquete do Franca monta comitê gestor

Clube será administrado por conselho formado por diretoria, patrocinador, prefeitura e comércio e indústria da cidade

Adalberto Leister Filho - São Paulo (SP) Publicado em 13/03/2015, às 08h49 - Atualizado às 11h49

Imagem Em busca de modernização, basquete do Franca monta comitê gestor

O ala Léo Meindl em jogo do Franca contra o Minas pelo NBB

Mais tradicional equipe de basquete do país, o Franca deu mais um passo em busca da viabilidade financeira do clube. A partir desta semana, a agremiação será comandada por um comitê gestor. O grupo é formado por representantes de diretoria e conselho do clube, Prefeitura de Franca, patrocinador (Magazine Luiza), associação comercial e sindicato da indústria da cidade. Cada setor possui dois representantes no conselho.

“O comitê de gestão será interventor por 180 dias, até que o clube faça uma alteração estatutária que permitirá a mudança na parte administrativa”, conta Mauro Bassi, vice-presidente do Franca e um dos membros do comitê.

“A partir de agora, ele irá cuidar de toda a parte financeira, orçamentária, política, administrativa e do maketing”, acrescentou o dirigente.

A iniciativa teria partido de Luiza Trajano, dona da rede de lojas Magazine Luiza, uma das patrocinadoras da equipe. Segundo a Máquina do Esporte apurou, hoje as dívidas do clube superam R$ 1 milhão.  A ideia é que o comitê traga mais profissionalismo para a gestão da equipe e atraia novos patrocinadores.

“Hoje o clube conta com o apoio de prefeitura, Magazine Luiza e EMS [empresa farmacêutica]. Mas ainda precisamos de um patrocinador máster”, afirmou Bassi.

Caso consiga fechar com uma empresa, a expectativa é uma arrecadação mensal de R$ 200 mil a R$ 250 mil. Sem verba em caixa, o elenco aceitou redução salarial até que a situação melhore. A situação foi exposta aos jogadores no início da temporada do NBB (Novo Basquete Brasil). Quem não quisesse ficar, ainda poderia acertar com outra equipe. Ninguém saiu.

“Deixamos bem claro a situação do clube ao grupo. Eles foram heróis ao aceitar a proposta”, agradeceu o dirigente.

Uma das primeiras iniciativas do novo comitê gestor é a aproximação com a NBA, parceira do NBB, e estudar o modelo de negócio de clubes de futebol. Tudo para modernizar a administração do clube.

“Nossa equipe era administrada de maneira amadora. Mas os novos tempos exigem modernização e profissionalismo”, afirmou Bassi.