Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Em busca de novos mercados, F1 quer prova na África do Sul

Categoria já fechou com Vietnã e tem conversas com Dinamarca e Miami (EUA)

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 30/04/2019, às 15h00

Imagem Em busca de novos mercados, F1 quer prova na África do Sul

A Liberty Media, atual dona da Fórmula 1, segue tentando colocar em prática a estratégia de alcançar novos mercados para a principal categoria do automobilismo mundial. Após fechar com o Vietnã para 2020, o foco da empresa se volta para o continente africano, em especial para a África do Sul.

A informação foi dada por Sean Bratches, diretor geral de operações comerciais da F1, em um evento organizado pelo site britânico SportsPro Media. Atualmente, o continente africano é o único que não possui corridas no calendário da categoria. A última prova disputada por lá foi exatamente na África do Sul, no circuito de Kyalami, na temporada de 1993.

Foto: Reprodução / Twitter (@F1)

"A África do Sul é muito interessante para nós, e estamos conversando lá. É obviamente um mercado político complicado, mas também é o último continente habitável no qual não estamos competindo, então é algo de grande interesse", afirmou Sean Bratches.

O país africano não é o único com quem a F1 possui conversas em andamento. A categoria quer uma corrida na região da Escandinávia, com favoritismo para a Dinamarca, e uma em Miami, o que colocaria uma segunda prova nos EUA no calendário (o assunto teve novidades na semana passada). Para fechar, no início de abril, o próprio Bratches revelou à agência AFP o interesse da F1 em uma segunda corrida anual na China.

"Há oportunidades em todo o mundo. Estamos em uma posição em que a demanda está nos dando a capacidade de impulsionar o preço e ser seletivo. Acho que, ao olharmos para isso, estamos tentando criar diversidade entre a Europa, as Américas e a Ásia. Queremos ir e correr em locais que se alinham com a nossa marca", disse o executivo.

Bratches ainda declarou que acredita que o calendário crescente da Fórmula 1 deu à categoria uma vantagem do ponto de vista comercial por causa de sua "pegada" global, algo que, na opinião dele, só pode ser rivalizado pela Copa do Mundo e pelos Jogos Olímpicos.

"Acho que o aspecto global do esporte é realmente importante e é uma das coisas que realmente acho que nos diferencia no mercado. Nós olhamos para a Copa do Mundo, Olimpíadas e Fórmula 1 como os três esportes verdadeiramente globais, mas somos o único que acontece todos os anos, em 21 países diferentes, em cinco continentes (levando-se em consideração América do Norte e América do Sul como dois continentes diferentes), sendo que os outros dois acontecem uma vez a cada quatro anos em apenas um país. Do ponto de vista comercial, as marcas estão interessadas em se tornar globais. Por isso, somos uma ótima plataforma para elas, e estamos justamente melhorando essa plataforma", finalizou o executivo da F1.