Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Em crise, México abre mão de sede de Mundial de esportes aquáticos de 2017

País corta gastos e não tem verba para investir US$ 100 milhões em evento de Guadalajara

Adalberto Leister Filho - São Paulo (SP) Publicado em 19/02/2015, às 16h29

Imagem Em crise, México abre mão de sede de Mundial de esportes aquáticos de 2017

Complexo Aquático de Guadalajara usado no Pan de 2011

A queda do preço do barril de petróleo fez com que o México desistisse de ser sede do Mundial de esportes aquáticos de 2017. A austeridade financeira decretada pelo presidente Enrique Peña Nieto para fazer frente à crise fez o país cancelar o evento, que seria realizado de 15 a 30 de julho em Guadalajara, cidade que já havia sido sede do Pan-Americano de 2011.

A Fina ainda não divulgou uma nova sede para o evento. A edição deste ano está marcado para Kazan, na Rússia. O Mundial de 2019 será sediado em Gwangju, na Coreia do Sul.

O Mundial de esportes aquáticos representava, junto com o regresso da Fórmula 1 ao país, os eventos esportivos internacionais mais importantes marcados para o México. Com a renúncia, outros eventos esportivos programados no local correm risco. É o caso do Pré-Olímpico de basquete, programado para Monterrey, em agosto.

A sede do Mundial foi obtida durante mandato do ex-presidente Felipe Calderón (2006-2012). O custo do evento é de cerca de US$ 100 milhões. Até o momento, o governo federal havia liberado US$ 10 milhões. No programa inicial, Guadalajara seria sede da natação, saltos ornamentais, nado sincronizado e polo aquático. Puerto Vallarta abrigaria a maratona aquática e salto em altura.

A suspensão do evento não chega a ser uma surpresa. Tanto o governo federal quanto o Estado de Jalisco tinham mostrado pouco interesse em manter o evento. O governo estadual ainda paga dívidas geradas pelo Pan de 2011.

Há três semanas, a Fina (Federação Internacional de Natação) lançou advertência aos organizadores por causa de atrasos e exigiu publicamente que o México constituísse um Comitê Organizador antes de 10 de fevereiro. Caso contrário, a entidade ameaçava retirar a competição do país.

A destituição do México como sede de eventos esportivos não é inédita. Em 2009, o país perdeu a sede do Pré-Mundial de basquete por não satisfazer os pedidos da federação continental da modalidade. O motivo alegado na época foi falta de recursos financeiros.

O corte de quase US$ 9 bilhões (cerca ce 0,7% do PIB) adotado no final de janeiro impôs uma revisão grande de investimentos. A ideia da Secretaria da Fazenda, dirigida por Luis Videgaray era evitar que esse corte afetasse programas sociais como habitação, educação e combate à pobreza.

Além do Mundial de esportes aquáticos, foram cortados investimentos em infraestrutura, como a construção de uma linha férrea de trem rápido de Cidade do México a Querétaro, o primeiro desse tipo na América Latina.