Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Escândalo de abuso liga sinal de alerta na ginástica olímpica do Brasil

Reportagem da Globo recoloca assunto em foco no esporte brasileiro

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 02/05/2018, às 07h34 - Atualizado às 10h34

Imagem Escândalo de abuso liga sinal de alerta na ginástica olímpica do Brasil

A Confederação Brasileira de Ginástica (CBG) está envolvida num dos maiores escândalos recentes do esporte brasileiro. A entidade viu o seu ex-treinador Fernando de Carvalho Lopes ser acusado de abusar de 40 atletas e ex-atletas. O escândalo, revelado pela TV Globo no último domingo (29), também colocou em xeque o atual coordenador da ginástica brasileira, o treinador Marcos Goto, um dos nomes mais vitoriosos do esporte na história, que foi acusado por ex-atletas de fazer brincadeira com o caso.

Fernando de Carvalho Lopes é acusado de abuso sexual. (Foto: Ricardo Bufolin / CBG)

Em nota, a CBG disse que fará uma oitiva sobre Goto, por "comportamento inadequado", e ainda encaminhará ao Ministério Público do Trabalho questionamentos sobre qual procedimento tomar. "Nenhum caso de assédio ou abuso ficará sem rigorosa apuração e eventual sanção, conforme a hipótese", disse a entidade.

Lopes, que treinava Diego Hypólito, foi afastado da seleção brasileira de ginástica pouco antes dos Jogos do Rio 2016 por conta de uma denúncia contra ele de abuso sexual a jovens.

Desde aquela época, a CBG vem tentando combater casos do gênero. A entidade firmou, em março, convênio com o Ministério do Trabalho para combate a assédio moral e sexual. 

A reportagem da Globo, porém, recolocou a entidade no foco do escândalo, principalmente pelas acusações contra Goto. Ele disse que os casos de Lopes eram tratados como boatos e que se faziam brincadeiras sobre, mas reiterou ser contra qualquer tipo de abuso.