Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Espanha anima patrocinadores e produtores de adereços

Guilherme Costa em em Johanesburgo (África do Sul) Publicado em 11/07/2010, às 15h00

A Espanha vai disputar neste domingo, pela primeira vez em sua história, uma decisão de Copa do Mundo. A classificação da atual campeã europeia para a disputa do título já causou repercussão no mercado, animou patrocinadores e intensificou a venda de adereços.

Um dos setores mais beneficiados pela campanha da equipe na Copa do Mundo foi a venda de produtos ligados à Espanha, como bandeiras. A Sosa Días, principal fabricante desse segmento no país, calcula ter vendido 50 mil unidades desde o início do torneio.

A Adidas teve incremento ainda mais expressivo. Segundo a agência “EFE”, a empresa estima ter vendido um milhão de camisas da Espanha em todo o mundo, número que foi alavancado pela classificação à decisão.

O volume de uniformes da Espanha comercializados neste ano é o dobro de 2008, temporada em que a equipe conquistou a Eurocopa. As camisas da equipe, aliás, são grande parte da aposta da Adidas para ter neste ano o recorde de vendas da companhia com o futebol.

Outras empresas que não patrocinam a Espanha também tentam aproveitar o êxito do país na Copa do Mundo. O banco Sabadell, a Toshiba e o Carrefour lançaram ações no país condicionadas ao título na competição de futebol.

A Toshiba, por exemplo, prometeu reembolsar os torcedores que compraram televisores ou celulares entre abril e junho deste ano e registraram os produtos no site da empresa. O Carrefour distribuirá dez mil vales de cem euros a seus clientes.

A fabricante de GPS Tom Tom é outra empresa que prometeu devolver todo o dinheiro investido por consumidores caso a Espanha seja campeã mundial. A promoção vale apenas para quatro modelos do produto.

A promoção de maior porte relacionada ao título, porém, é do Banesto. O banco, que figura entre os patrocinadores oficiais da Espanha, criou um tipo de investimento chamado “depósito seleção”. Se o país conquistar a taça, terá de distribuir dez milhões de euros em benefícios.