Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Espanha sinaliza com fim de 'espanholização' de direitos de TV

Governo aprova decreto que distribui de maneira mais igualitária arrecadação de contratos de transmissão

Adalberto Leister Filho - São Paulo (SP) Publicado em 04/05/2015, às 18h14

Imagem Espanha sinaliza com fim de 'espanholização' de direitos de TV

O Real Madrid é um dos beneficiados no atual contrato de TV

O governo da Espanha sinalizou com uma maior igualdade na distribuição dos direitos de TV da Liga de Futebol Profissional. Na última sexta-feira, o Conselho de Ministros aprovou o Real Decreto Lei que muda o sistema de venda de individual para centralizado.

“Trata-se de melhorar os mecanismos econômicos de controle financeiro dos clubes, já que a dívida acumulada por eles supera os € 3 bilhões. Os maiores credores são os bancos, mas também temos a Fazenda e a Seguridade Social, com mais de € 600 milhões dos dois somados”, afirmou José Ignacio Wert, ministro de Educação, Cultura e Esporte.

Wert comparou a arrecadação de € 800 milhões da liga espanhola com direitos de TV na temporada 2013/2014 com os € 1,875 bilhão da Premier League da Inglaterra e os € 846 milhões da Série A da Itália. Entre as principais ligas da Europa, apenas a Espanha não possuía uma regulamentação para o setor. França, Itália, Inglaterra e Alemanha já contam com leis sobre o tema.

Antes da nova lei, 45% da arrecadação era repartida por quatro times, sendo que 33% ficavam com apenas dois clubes (Barcelona e Real Madrid). Pela nova regra, 50% do faturamento será distribuído em partes iguais entre todos os clubes. A metade restante será dividida em um complicado rearranjo que leva em conta os resultados obtidos nas últimas cinco temporadas, sendo que o último campeonato responderá por 35% dessa arrecadação, com decréscimo para o penúltimo torneio (20%) e os três anteriores (15% cada).

A repartição será de acordo com a posição obtida. Assim, o campeão espanhol levará 17% desse bolo. O vice, 15%. Já o último colocado terá direito a apenas 0,25%. A Liga de Futebol Profisisonal ficará com 1% da arrecadação, enquanto a Real Federação Espanhola de Futebo tem assegurado 2%. O pacote também contempla verba para o futebol feminino.

Segundo o ministro, com as mudanças é esperado “um aumento de arrecadação nacional de € 1 bilhão em um prazo razoável, e de € 400 milhões a € 500 milhões nas vendas internacionais”.

A implantação do novo sistema está prevista para a temporada 2016/2017.  “É uma medida histórica, necessária para o futebol espanhol, que dessa forma terá um campeonato competitivo e não irá se distanciar das grandes ligas do setor na Europa”, afirmou Miguel Cardenal, secretário de Estado para o Esporte.

“É uma medida necessária para o desenvolvimento e crescimento do futebol profissional espanhol”, acrescentou Javier Tebas, presidente da LFP.