Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Estreia do Orlando City faz futebol nos EUA viver “Dia de Super Bowl”

Ricardo Ognibene, sócio do Sport Group, fala sobre a promoção do jogo inaugural do time de Kaká na MLS

Ricardo Ognibene - Orlando (EUA)* Publicado em 10/03/2015, às 07h37 - Atualizado às 10h37

Imagem Estreia do Orlando City faz futebol nos EUA viver “Dia de Super Bowl”

A estreia do Orlando City na MLS foi grandiosa, sendo descrita pelos próprios torcedores como “nosso Super Bowl particular”.

Realmente, a realidade não estava muito distante disso. Num ambiente extremamente pacífico e familiar, os americanos trouxeram o velho conceito do “fan/fun day” para o futebol e começaram a chegar aos arredores do estádio ainda na manhã do domingo, com direito a churrasco e jogos no estacionamento, como manda a tradição. Eram mais de 5 mil vagas para automóveis ao redor do estádio, com reservas pelo site.

Além disso, através de uma parceria do clube com as empresas do setor de transporte, o torcedor podia ir de graça ao Citrus Bowl, bastando mostrar o ingresso da partida. Ônibus e trens saiam dos principais pontos da cidade a cada 5 minutos, sempre lotados. Notem que falamos de uma parceria simples entre duas empresas com o intuito de facilitar a ida dos “clientes” ao estádio.

Para entreter os torcedores que chegavam à partida, o Orlando City criou uma pequena “fan fest” na frente do estádio, com apresentação de bandas locais, inúmeros “food trucks”, jogos e entretenimento para as crianças, além obviamente das ações de ativação de marca e patrocínio que estavam por todos os lados. 

Isso não é imposição da liga, tudo foi feito por livre e espontânea vontade das empresas (leia-se planejamento de marketing).

Todos os patrocinadores do clube e da liga faziam ações com a torcida dentro e fora do estádio, da cerveja ao sistema operacional, todas as marcas sabendo da importância da divulgação in loco dos seus produtos para 60 mil possíveis consumidores. Enquanto a Microsoft se preocupava em demonstrar o novo Windows para torcedores acima dos 40 anos, o Subway, ao lado, focava sua ação no público infantil numa pequena quadra de futebol montada em frente ao estádio. Minutos antes do início da partida, dezenas de crianças se amontoavam em frente à ação do Subway pelo simples prazer de brincar e jogar futebol.

Dentro do estádio não foi diferente. A Adidas montou cerca de dez lojas móveis nos três níveis do estádio com produtos do clube. As filas eram grandes, mesmo durante a partida. A grande maioria dos torcedores estava atrás da nova camisa que foi estrategicamente apresentada na “MLS Jersey Week”, semana passada.

Assistindo ao jogo e analisando a forma de torcer é que percebemos a importância de uma figura como o Kaká para o futebol dos EUA. Cada toque na bola era uma festa na torcida, cada drible era motivo de euforia. Ter atletas de nível mundial fará muito bem para o soccer, pois o americano precisa se sentir “dentro do jogo” para competir com todas as suas forças, e a chegada do Kaká e dos outros astros tornou isso possível.

O fato é que vamos assistir nos próximos anos a um crescimento vertiginoso da MLS nos EUA, o que já pode ser atestado pelos novos valores de contratos de patrocínio e direitos de TV que a liga fechou para os próximos anos.

Mas não vai ficar por aí. A MLS aumentará mais uma vez o “salary cap” em 2016 para incentivar a chegada de novos atletas de nível internacional, que consequentemente aumentará a atenção do torcedor, elevando a audiência e estimulando a chegada de novos possíveis interessados em unir a sua marca ao esporte com mais praticantes no mundo, o soccer.

* Ricardo Ognibene é sócio do Sport Group, agência de marketing esportivo baseada em São Paulo e com filial em Orlando (EUA)