Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

F1 fecha primeiro patrocínio regional com site de apostas

Acordo com 188Bet foi assinado para o mercado asiático e valerá até 2024

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 04/03/2020, às 09h52 - Atualizado às 12h52

Imagem F1 fecha primeiro patrocínio regional com site de apostas

A menos de duas semanas do início da temporada 2020, a Fórmula 1 anunciou, nesta terça-feira (3), o primeiro acordo de patrocínio com um site de apostas da história da categoria. O aporte regional para o mercado asiático foi fechado com a 188Bet, que ficou conhecido no Brasil no ano passado após assinar uma "parceria digital" com o Atlético Mineiro.

O contrato foi intermediado pela Interregional Sports Group (ISG), agência de mídia e marketing com sede em Londres que possui os direitos globais de comercialização com empresas de apostas na Fórmula 1 desde 2018. O acordo valerá por cinco temporadas, ou seja, até o final de 2024, e, segundo a imprensa britânica, gira em torno de US$ 100 milhões.

Pelo contrato, a marca da 188Bet será exibida exclusivamente nas transmissões de Fórmula 1 em todo o mercado asiático graças à publicidade virtual nos circuitos da categoria que é gerenciada pela ISG. Além disso, o site de apostas ainda terá direito a visibilidade e ativações nas plataformas sociais e digitais da categoria mais importante do automobilismo mundial.

Por último, o acordo também prevê que a 188Bet tenha a propriedade exclusiva do aplicativo F1 Play para o mercado asiático de apostas esportivas e receba dados oficiais das apostas na Fórmula 1 fornecidas pela empresa de dados Sportradar.

Foto: Reprodução / Site (188spesial.com)

"O acordo com a 188Bet faz parte de um plano comercial maior que vem sendo implementado pela Liberty Media (atual dona da Fórmula 1) para transformar a F1 em um produto mais atraente para os fãs já existentes e também para os novos. Essa parceria abrirá inúmeras oportunidades de apostas em corrida, incluindo voltas mais rápidas, pit stops mais rápidos e número de ultrapassagens, sem contar o potencial de criar probabilidades e mercados em torno de dados biométricos de telemetria e de pilotos", afirmou Ross Brawn, atual diretor esportivo da categoria, em entrevista ao site britânico SportsPro Media.

Com o tempo, a ideia da F1 é utilizar diversos dados que a tecnologia já é capaz de medir para colocar nas transmissões das corridas. Além disso, usar também o que for possível para colocar no mercado de apostas e, assim, aumentar o engajamento das pessoas e o faturamento da categoria.

"Gostaríamos muito de transmitir os dados biográficos, a frequência cardíaca do piloto quando está em uma disputa de posição com outro piloto. No momento, é algo com que os próprios pilotos se sentem sensíveis e não querem transmissão, e entendo isso. Mas esse é o tipo de informação que estamos negociando com as equipes, porque estamos muito interessados ​​em envolver mais os fãs com o esporte, não apenas da perspectiva das apostas mas da perspectiva geral. Há uma enorme quantidade de dados na F1: desgaste de pneus, temperatura dos freios, temperatura do motor, todo tipo de coisas que podem ser significativas para a corrida. Esse é o tipo de informação que queremos usar para adicionar uma dimensão extra à transmissão", finalizou Ross Brawn.