Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

F1 oficializa adiamento do GP da China por conta do coronavírus

Liberty Media estuda remarcar prova, que seria em abril, para o final do ano

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 12/02/2020, às 13h42

Imagem F1 oficializa adiamento do GP da China por conta do coronavírus

O surto de coronavírus na China fez mais uma "vítima" esportiva. Dessa vez, foi a Fórmula 1 que anunciou o adiamento da prova no país por conta da doença. O GP da China, que seria disputado em Xangai no dia 19 de abril como a quarta corrida do calendário, foi adiado e não tem data definida para acontecer. A Liberty Media estuda a possibilidade de encaixar a prova na parte final da temporada.

O adiamento ou até o cancelamento da prova já vinha especulado há algumas semanas na imprensa internacional. O anúncio oficial, porém, só surgiu quando a F1 e a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) decidiram aceitar em conjunto um pedido do Juss Sports Group, grupo responsável por promover o GP da China, para garantir a saúde e a segurança dos pilotos, dos funcionários e dos fãs da principal categoria do automobilismo mundial.  

Foto: Reprodução

"O Grande Prêmio da China sempre foi uma prova muito importante do calendário da F1, e os fãs são sempre incríveis. Estamos todos ansiosos para competir na China o mais rápido possível e desejamos a todos do país o melhor durante esse período difícil", afirmou a Fórmula 1, em comunicado oficial.

Dias antes da decisão, Ross Brawn, atual diretor esportivo da categoria, já havia descartado a possibilidade de usar a data, 19 de abril, para antecipar outra prova já prevista ou até encaixar uma não prevista anteriormente no calendário de 2020. A posição da Fórmula 1 a partir de agora será de monitoramento e espera.

Esta é a primeira vez que uma corrida da F1 é cancelada por motivos extrapista desde 2011. À época, o Grande Prêmio do Bahrein foi retirado do calendário daquele ano por conta de distúrbios sociais graves no país asiático.

GP da China de 2019 foi vencido por Lewis Hamilton (Foto: Reprodução / Site (formula1.com))

A Fórmula 1 é apenas um evento esportivo a mudar os planos com relação à China por conta do surto de coronavírus. Até o momento, a World Athletics (antiga Iaaf) adiou para 2021 o Mundial Indoor de Atletismo, que seria disputado no mês que vem em Nanjing, na China, ao mesmo tempo em que a etapa da Copa do Mundo de Esqui, que aconteceria no próximo mês para testar o circuito de Yanqing, que será usado nos Jogos de Inverno de Pequim, em 2022, foi cancelada.

Além disso, a etapa asiática da Fed Cup de tênis que seria realizada na China, foi transferida para o Cazaquistão. Já a Associação Chinesa de Futebol (CFA) anunciou o adiamento do início da temporada 2020 de todas as suas ligas nacionais, inclusive a Super Liga Chinesa (CSL), primeira divisão do futebol do país.

Na semana passada, a Confederação Asiática de Futebol (AFC) adiou 12 dos seus próximos jogos na Liga dos Campeões. A Fórmula E e o PGA Tour de golfe também já modificaram calendários previamente estabelecidos.

Quanto a eventos relacionados diretamente aos Jogos Olímpicos de Tóquio, dois pré-olímpicos que seriam disputados no início de fevereiro na cidade de Wuhan, capital da província da China central que registrou grande parte dos casos da doença até o momento, tiveram seus locais modificados. A situação ocorreu com a disputa asiática do futebol feminino e com o boxe da Ásia e da Oceania. O próprio Comitê Organizador veio a público na semana passada para demonstrar preocupação com tudo que está acontecendo na China.

LEIA MAIS: Comitê dos Jogos de Tóquio 2020 liga alerta contra coronavírus

De acordo com as últimas atualizações, o coronavírus já atingiu mais de 40 mil pessoas, a maioria esmagadora delas na China, com pelo menos 1.100 mortes confirmadas até agora.