Fifa prioriza mercado, e Copa irá a Rússia e Qatar

Delegação russa festeja escolha do país para sediar a Copa de 2018

Delegação russa festeja escolha do país para sediar a Copa de 2018

A Fifa decidiu levar a Copa do Mundo a novos (e gananciosos) mercados. Nesta quinta-feira, em cerimônia realizada em Zurique (Suíça), o presidente da entidade, Joseph Blatter, anunciou que Rússia e Qatar serão as sedes da competição, respectivamente, em 2018 e 2022.

Entre os países que disputaram o direito de realizar o megaevento, Rússia e Qatar foram os que apostaram em projetos mais vultosos em termos financeiros. São os dois planos mais dispendiosos, com as maiores quantidades de arenas a serem erguidas do zero – o total não foi especificado, mas membros do comitê do país europeu chegaram a falar de um investimento em torno de US$ 500 bilhões.

Rússia e Qatar também usaram como bandeira o fato de serem mercados com grande potencial de desenvolvimento. A Copa do Mundo será realizada pela primeira vez no Leste Europeu e no Oriente Médio. No caso dos asiáticos, a consultoria Grant Thorntom previu que o torneio pode representar um impacto de até 24 bilhões de euros no futebol local.

Nesse sentido, a escolha reforça política adotada pela Fifa desde a época em que a entidade era presidida pelo brasileiro João Havelange. A entidade esforçou-se, nas últimas décadas, para propagar a imagem de disseminadora do futebol por diferentes culturas.

Prova disso é que a Copa do Mundo de 2010, a primeira escolhida na gestão Blatter, também foi a primeira a buscar um novo mercado. O dirigente suíço levou o torneio para a África do Sul, primeiro país de seu continente a receber o evento.

O ineditismo foi usado por Rússia e Qatar em diferentes apresentações para representantes da Fifa. O colégio eleitoral da entidade foi formado por 22 membros do conselho – eram 24, mas dois foram suspensos pela entidade por terem se envolvido em um esc"ndalo de venda de votos.

“A Copa do Mundo foi confiada a nós, e nós só podemos prometer que vocês não vão se arrepender”, disse Igor Shuvalov, representante do primeiro-ministro russo. “Vamos decepcionar vocês”, concordou Mohammed Bin Hamad, representante do Qatar.

Outros países que tentaram sediar a Copa do Mundo e foram preteridos na eleição da Fifa foram Inglaterra, Espanha/Portugal, Bélgica/Holanda, Austrália, Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão.

A Fifa decidiu levar a Copa do Mundo a novos (e gananciosos) mercados. Nesta quinta-feira, em cerimônia realizada em Zurique (Suíça), o presidente da entidade, Joseph Blatter, anunciou que Rússia e Qatar serão as sedes da competição, respectivamente, em 2018 e 2022.

Entre os países que disputaram o direito de realizar o megaevento, Rússia e Qatar foram os que apostaram em projetos mais vultosos em termos financeiros. São os dois planos mais dispendiosos, com as maiores quantidades de arenas a serem erguidas do zero – o total não foi especificado, mas membros do comitê do país europeu chegaram a falar de um investimento em torno de US$ 500 bilhões.

Rússia e Qatar também usaram como bandeira o fato de serem mercados com grande potencial de desenvolvimento. A Copa do Mundo será realizada pela primeira vez no Leste Europeu e no Oriente Médio. No caso dos asiáticos, a consultoria Grant Thorntom previu que o torneio pode representar um impacto de até 24 bilhões de euros no futebol local.

Nesse sentido, a escolha reforça política adotada pela Fifa desde a época em que a entidade era presidida pelo brasileiro João Havelange. A entidade esforçou-se, nas últimas décadas, para propagar a imagem de disseminadora do futebol por diferentes culturas.

Prova disso é que a Copa do Mundo de 2010, a primeira escolhida na gestão Blatter, também foi a primeira a buscar um novo mercado. O dirigente suíço levou o torneio para a África do Sul, primeiro país de seu continente a receber o evento.

O ineditismo foi usado por Rússia e Qatar em diferentes apresentações para representantes da Fifa. O colégio eleitoral da entidade foi formado por 22 membros do conselho – eram 24, mas dois foram suspensos pela entidade por terem se envolvido em um esc"ndalo de venda de votos.

“A Copa do Mundo foi confiada a nós, e nós só podemos prometer que vocês não vão se arrepender”, disse Igor Shuvalov, representante do primeiro-ministro russo. “Não vamos decepcionar vocês”, concordou Mohammed Bin Hamad, representante do Qatar.

Outros países que tentaram sediar a Copa do Mundo e foram preteridos na eleição da Fifa foram Inglaterra, Espanha/Portugal, Bélgica/Holanda, Austrália, Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão.

Leia mais:

Ausências fazem príncipe inglês ser “novo Obama”

Copa de 2018 faz Rússia repetir cenário do Brasil

Eleição da Copa de 2022 obriga Fifa a quatro votações

Projeto russo centraliza Copa em Moscou

Inglaterra lamenta “chance perdida” para o turismo

Pequeno, Qatar valorizará transporte terrestre

Por 16 arenas, Rússia ignora problemas de cidades

Derrotados questionam escolhas da Fifa para Copa

Projeto do Qatar insere ar-condicionado na Copa

Por Copa de 2018, Rússia garante agrados à Fifa

Copa impulsiona planos para turismo no Qatar

Teixeira nega revelar voto e defende escolha da Fifa

Rússia promete legado, mas não especifica meios

Eleito, Qatar já inicia mudança de imagem com Copa

Qatar prevê impacto de US$ 24 bilhões no futebol do Oriente Médio