Fluminense revela estudo para acertar com Adidas

Atuação global da empresa pesou na renovação com clube carioca

Atuação global da empresa pesou na renovação com clube carioca

A relação entre Adidas e Fluminense, existente desde 1996, quase terminou no início deste ano. Após o clube carioca ganhar novo presidente, Peter Siemsen, justamente quando a equipe havia acabado de vencer o Campeonato Brasileiro, cogitou-se trocar de fornecedora de materiais esportivos. Mas pesquisa pesou na renovação.

Logo que assumiu a vice-presidência de marketing do time das Laranjeiras, Idel Halfen disse, em entrevista exclusiva à Máquina do Esporte, que um dos diferenciais da nova gestão seria o uso de estudos para justificar as ações do clube. Durante a negociação com a Adidas, levantamento feito pelo dirigente avaliou concorrentes.

A Global Sports Network (GSN), agência de marketing esportivo que tem Halfen como diretor de marketing, analisou 1.665 clubes e 209 seleções nacionais, de sete continentes, durante a temporada 2010/2011. O intuito era descobrir quais eram as marcas mais utilizadas por essas entidades esportivas, e a Adidas mostrou força.

Entre os clubes contemplados pelo levantamento da agência, constatou-se que a Adidas é a maior fabricante de materiais esportivos de clubes do mundo em número de times parceiros. A empresa fornece peças para 12,3% do universo analisado, 205 clubes, seguida por Nike (9,5%), Puma (7,5%), Umbro (6,5%) e Lotto (3,5%).

Outro dado interessante é referente à quantidade de marcas de artigos esportivos existentes no mundo. O estudo realizado pela GSN encontrou 171 fornecedoras diferentes, após mapear e analisar o fornecimento desses materiais por continente. Esses dados nortearam, segundo Halfen, a escolha por manter o acordo com a Adidas.