Fortaleza chama torcida para compensar patrocínio

Fortaleza em amistoso contra o Trairiense

Fortaleza em amistoso contra o Trairiense

O Fortaleza esteve próximo de fechar um patrocínio máster por duas vezes nos últimos meses, mas não conseguiu assinar o contrato e já não conta mais com uma empresa que atinja as suas expectativas financeiras. Para seguir forte na Série C do Campeonato Brasileiro, o clube resolveu acionar seus torcedores para conseguir aumentar a receita.

A primeira vez que esteve próximo de fechar um contrato foi com a Foxlux, que afirmou não ter verba para este ano. Saiu da negociação com a promessa de fazer um acordo com o clube para 2012. Em seguida, foi a vez da Nacional Gás, que patrocinou a equipe no primeiro semestre, não aceitar os valores, após as negociações se alongarem.

O clube busca uma empresa que pague R$ 50 mil por mês. Ainda não a encontrou, mas viu nos seus torcedores uma solução. Para arcar com os gastos de junho, fez um amistoso com o Trairiense. Conseguiu colocar 13 mil pessoas no estádio e arrecadou R$ 180 mil.

Para a Série C, a ideia é aproveitar que o estádio Presidente Vargas já finalizou sua reforma e reabriu para mais de 20 mil pessoas. Com vídeos na internet e anúncios do presidente do clube, Francisco Baquit, chamando os torcedores para a arena, o Fortaleza almeja lotar a arena nos cinco jogos da primeira fase.

O clube também lançou algumas ações para arrecadar. Com a ideia de chamar o torcedor para “patrocinar” a equipe na Série C, a diretoria colocou à disposição um mural na sede do Fortaleza para os torcedores comprarem um azulejo com o seu nome. A expectativa é arrecadar R$ 800 mil com o projeto.

Outra fonte de renda esperada é em uma cartela que levará um torcedor para ver a estreia da Série C, contra o CRB, junto com a delegação do time. A pessoa compra uma cartela por R$ 50,00 e torce para ser sorteado e conseguir acompanhar a equipe até Maceió. Com a iniciativa, espera-se ganhar R$ 200 mil.

Quanto ao patrocínio, o cenário não é do mais otimista, mas, segundo o diretor de marketing do clube, Demetrius Coelho, há como converter a situação com pontuais. “Nós até preferimos vender por jogo nesse momento. Com televisão, podemos conseguir até R$ 10 mil por partida”, afirmou.

Problema solucionado, apenas no fornecimento de material esportivo. O clube perdeu a Lotto, mas já conseguiu fechar com um substituto. Trata-se de Stadium, linha popular do grupo Cambuci, dona da Penalty.