Governo e COL põem abertura da Copa-2014 em Itaquera

Projeto para Guarulhos deve ser descartado

Projeto para Guarulhos deve ser descartado

Uma reunião realizada nesta sexta-feira entre autoridades locais, representantes da candidatura de São Paulo e Ricardo Teixeira, presidente do comitê organizador local (COL) da Copa do Mundo de 2014, recolocou a cidade no projeto do torneio. A despeito do veto ao Morumbi, anunciado há pouco mais de dois meses, e depois da frustrada tentativa de erguer uma nova arena em Pirituba, a capital paulista receberá a abertura da competição em Itaquera, no novo estádio do Corinthians.

A decisão foi anunciada em nota oficial emitida pelo governo do Estado, assinada pelo governador Alberto Goldman, por Gilberto Kassab, prefeito de São Paulo, e pelo próprio Ricardo Teixeira. No documento, os três relatam o que aconteceu na reunião e anunciam a escolha do estádio.

“Na reunião, o presidente da CBF foi consultado mais uma vez sobre a realização da abertura da Copa no estádio do Morumbi, e informou que esta opção estava totalmente excluída pela FIFA e pelo Comitê Organizador Local da Copa 2014. O presidente Ricardo Teixeira foi então informado que, apesar de todos os esforços, não foi possível viabilizar a construção de um estádio para a Copa 2014 no complexo de eventos e feiras que será construído em Pirituba”, diz o texto.

Com o veto de Teixeira ao Morumbi e a falta de condições de levar adiante o projeto de Pirituba, surgiu a hipótese de Itaquera. A ideia partiu do presidente do COL, mas Goldman e Kassab aceitaram desde que não houvesse emprego de dinheiro público na obra.

O projeto de estádio do Corinthians ainda não foi anunciado oficialmente pela diretoria, que pretende fazer dessa uma das principais notícias da comemoração de centenário do clube, a ser comemorado no dia 1º de setembro de 2010. O clube sequer confirmou Itaquera como o local escolhido.

Atualmente, a diretoria alvinegra trabalha para fechar a modelagem do projeto para a arena. A ideia é montar um modelo que seja administrado pelo Corinthians, apresentar essa versão a empresas de diferentes segmentos e fechar parcerias para viabilizar a obra.

Segundo o jornal “Folha de S.Paulo”, há pressão do governo federal para que a construtora Odebrecht participe do projeto. Consultada nesta sexta-feira, a diretoria do Corinthians negou qualquer forma de acerto com a empreiteira.

A diretoria do Corinthians também trabalha com um modelo de negócio que não inclui, ao menos até esta sexta-feira, a abertura da Copa do Mundo. O clube cogitava um estádio com menos de 65 mil lugares, capacidade exigida pela Fifa para fazer o jogo inaugural. Não apenas pelo custo da obra, mas pelo montante que seria investido na manutenção de uma arena desse porte.

Com o formato atual, mais comedido do que a Fifa exige para a abertura, o Corinthians trabalha com a venda de naming right como principal fonte de receita. Segundo a diretoria, esse negócio cobriria 80% dos custos do projeto alvinegro – o restante seria obtido com outras propriedades comerciais, como camarotes e espaços internos.

Confira na íntegra a nota emitida pelo governo de São Paulo:

“Na tarde desta sexta-feira, o governador Alberto Goldman, o prefeito Gilberto Kassab e o coordenador do Comitê Organizador Paulista da Copa 2014, o secretário estadual de Economia e Planejamento Francisco Vidal Luna, estiveram com o presidente da CBF, Ricardo Teixeira.

Na reunião, o presidente da CBF foi consultado mais uma vez sobre a realização da abertura da Copa no Estádio do Morumbi, e informou que esta opção estava totalmente excluída pela FIFA e pelo Comitê Organizador Local da Copa 2014.

O presidente Ricardo Teixeira foi então informado que, apesar de todos os esforços, não foi possível viabilizar a construção de um estádio para a Copa 2014 no complexo de eventos e feiras que será construído em Pirituba.

O governador e o prefeito foram então consultados pelo presidente da CBF sobre a hipótese de a abertura da Copa 2014 ser realizada em novo estádio a ser construído pelo Sport Club Corinthians Paulista, em uma área em Itaquera. Goldman e Kassab reiteraram a disposição de proporcionar o apoio necessário para que São Paulo possa receber a abertura da Copa do Mundo.

O Governo do Estado e a Prefeitura de São Paulo reafirmaram a decisão de não aplicar recursos públicos para a construção de estádios.

ALBERTO GOLDMAN – Governador do Estado de São Paulo

GILBERTO KASSAB – Prefeito da Cidade de São Paulo

RICARDO TEIXEIRA – Presidente da Confederação Brasileira de Futebol”