Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Homenagens pelo mundo expõem importância de Kobe Bryant

Lenda da NBA faleceu neste domingo (26) em um acidente de helicóptero

Erich Beting - São Paulo (SP) Publicado em 27/01/2020, às 08h19 - Atualizado às 11h19

Imagem Homenagens pelo mundo expõem importância de Kobe Bryant

Um acidente de helicóptero na manhã deste domingo (26) na região de Los Angeles matou a lenda da NBA Kobe Bryant, aos 41 anos de idade. O ex-jogador ia com uma das filhas, Gianna, de 13 anos, a um jogo de basquete dela quando sofreu o acidente fatal. A sucessão de homenagens a Kobe durante o dia, em todo o mundo, mostrou a importância que o americano teve para o esporte.

LEIA MAIS: Análise: Kobe Bryant foi o ídolo que a NBA precisava

Menos de quatro anos após a aposentadoria das quadras, Bryant ironicamente havia voltado a ser notícia para o mundo do basquete no sábado (25), véspera do acidente fatal, quando LeBron James ultrapassou a marca de 33.643 pontos de Kobe e se tornou o terceiro maior cestinha da história da NBA, jogando curiosamente pelo mesmo Los Angeles Lakers que sempre foi a casa do ex-jogador.

Foto: Reprodução

O Lakers e os números 8 e 24, que foram usados por Bryant ao longo da carreira, ditaram as homenagens póstumas ao astro. Nas partidas da NBA, os atletas em quadra deixaram estourar o tempo de 24 segundos para o primeiro arremesso à cesta. Além disso, diversas franquias coloriram seus ginásios com as cores laranja e roxa do Lakers, como o New York Knicks no Madison Square Garden.

A importância de Bryant para o esporte também foi marcada pelas homenagens prestadas por Nike e Adidas. As duas maiores concorrentes do mercado de material esportivo foram patrocinadoras do atleta. A marca alemã apoiou Bryant no começo da carreira (de 1997 a 2002), enquanto a americana foi quem sustentou o atleta em sua fase mais difícil e fez dele um milionário, tornando-o o segundo jogador com maior faturamento da história, atrás somente de Michael Jordan.

Após ser acusado de estupro por uma funcionária de um hotel em 2003, mas ter a acusação retirada, o já astro do Lakers viu seus patrocinadores debandarem. A Nike, que já tinha assinado com ele, decidiu manter a aposta em sua nova imagem. A mudança da camisa 8 para a 24, seguida de uma performance cada vez mais extraordinária em quadra, impulsionaram a marca e os negócios de Kobe Bryant.

LEIA MAIS: ESPN homenageará Kobe Bryant com programação especial

Por 15 anos seguidos, ele assinou o tênis mais vendido da NBA e, com a abertura do mercado da China, tornou-se figura carimbada no país asiático com várias marcas. No final da carreira, em 2016, Bryant acumulou US$ 680 milhões entre patrocínios e salários. Nenhum outro atleta ganhou tanto enquanto jogava pela NBA.

Foto: Reprodução

Os ganhos em quadra impulsionaram os negócios fora dela. Em 2013, Bryant lançou a Kobe Inc., empresa de investimentos em startups ligadas ao esporte. Além disso, comprou por US$ 5 milhões participação de cerca de 10% na BodyArmor, concorrente da Gatorade. Cinco anos depois, a Coca-Cola aportou US$ 300 milhões na empresa.

Ao parar de jogar, passou a investir em negócios na mídia, com um fundo de US$ 100 milhões criado com o empresário Jeff Stibel. Um dos seus primeiros negócios foi a criação do curta-metragem "Dear Basketball", que conta sua história com o basquete. Em 2018, ele se tornou o primeiro atleta a ganhar o Oscar, prêmio máximo da indústria do cinema, como o melhor curta-metragem.

Responsável por aumentar a popularização do basquete pós-Jordan, Kobe Bryant, com sua morte prematura, chocou o mundo. As homenagens que foram feitas ao longo do dia definitivamente mostraram o tamanho que ele teve para o esporte.