Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Jogador de Camarões fura padrão da Nike

Jogador de Camarões fura padrão da Nike

Guilherme Costa em São Paulo - SP Publicado em 14/06/2010, às 14h00

Camisa 10 da seleção de Camarões, o meia Emana entrou no segundo tempo do jogo de estreia de sua seleção na Copa do Mundo de 2010 ? derrota por 1 a 0 para o Japão nesta segunda-feira, em Bloemfontein. Deu um chute a gol aos 41min, mas não protagonizou nenhum lance digno de nota. Mesmo assim, o atleta foi um marco para a competição. Afinal, derrubou o padrão estabelecido pela Nike para as cores de suas chuteiras. A empresa de material esportivo escolheu o roxo e o laranja para caracterizar seus calçados na Copa do Mundo de 2010. Independentemente do modelo, todo jogador patrocinado pela Nike foi orientado a utilizar uma versão que combina as duas cores. Emana, contudo, jogou nesta segunda-feira com uma chuteira Mercurial amarela. O que torna o fato ainda mais significativo é que essa foi justamente a cor escolhida pela Adidas, principal rival da Nike, para padronizar suas chuteiras no Mundial de 2010. A seleção de Camarões teve outros quatro jogadores com chuteiras Nike nesta segunda-feira. A marca também foi responsável pelos calçados do goleiro Souleymanou, do zagueiro Bassong, do atacante Webó e do meia Geremi, que entrou na etapa final. Todos eles usaram roxo e laranja. Nas primeiras partidas da Copa do Mundo de 2010, a padronização de cores das chuteiras já causou problemas para a Adidas. A marca apostou no amarelo, mas não conseguiu fazer com que todos os atletas patrocinados usassem a cor. O exemplo mais recente aconteceu no domingo, quando o alemão Schweinsteiger calçou um modelo branco e preto. Um dos principais motivos para a Adidas ter ficado insatisfeita foi justamente a eficiência da Nike, que conseguiu disseminar o roxo e laranja entre seus patrocinados. Nesta segunda-feira, porém, Emana mostrou que a estratégia americana também não é infalível.