Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Jogadores da MLS ameaçam fazer greve se não for assinado novo acordo trabalhista

De olho em aumento de receitas com contrato de TV, atletas reivindicam melhores salários

Adalberto Leister Filho - São Paulo (SP) Publicado em 27/01/2015, às 16h09

Imagem Jogadores da MLS ameaçam fazer greve se não for assinado novo acordo trabalhista

Michael Bradley, do Toronto, um dos líderes do movimento

O início da temporada 2015 da Major League Soccer (MLS), previsto para 6 de março, está em suspenso. O sindicato dos jogadores prepara uma greve se não for assinado o novo acordo coletivo de trabalho da liga norte-americana de futebol.

Os jogadores reclamam por se tornarem agentes livres quando seus contratos são encerrados. Atualmente, um jogador que não tem compromisso vigente é selecionado em um novo draft. Ou seja, o atleta não tem nenhum controle sobre para onde irá jogar.

O sindicato também quer aumentar o salário mínimo da liga que atualmente é de US$ 35.125. O argumento é que a MLS cresceu muito nos últimos anos, há mais dinheiro de direitos de TV e isso deveria se refletir no pagamento dos atletas.

Michael Bradley, do Toronto, acredita na possibilidade de greve. “Temos que chegar a um acordo antes que comece a temporada. Estamos dispostos a fazer greve”, afirmou o jogador, em entrevista à ESPN americana.

Álvaro Saborío, do Real Salt Lake, respaldou o colega. “Estou completamente de acordo com Michael Bradley. Ninguém quer uma greve, mas se isso tiver que acontecer, vamos fazê-lo. É uma simples questão de justiça”, afirmou o costa-riquense pelo Twitter.