Lagardère assina hoje memorando para assumir Maracanã

Será realizada nesta sexta-feira (dia 7) a assinatura do Memorando de Entendimentos (MOU, na sigla em inglês) que transfere a gestão do estádio do Maracanã do consórcio liderado pela Odebrecht ao grupo de entretenimento francês Lagardère.

Após meses de negociação, o primeiro passo para transferir a gestão do estádio aos franceses será dado. Até o final do mês, o contrato de cessão da gestão será assinado e, então, haverá um prazo de dois meses para a transição do controle do espaço, que engloba ainda o Maracanãzinho.

A validade da concessão é até 2048. O investimento total estimado é de R$ 500 milhões, sendo que já deverá ser feito um aporte inicial estimado em cerca de R$ 15 milhões para deixar o estádio apto a receber jogos regularmente.

O Maracanã era desejo antigo da Lagardère, que em sociedade com a BWA gerencia também as Arenas Independência e Castelão.

A presença do sócio brasileiro, aliás, deve ser ruim à nova gestão do local. O Flamengo, que costuma levar maiores públicos ao Maracanã, se recusa a conversar com a BWA.

O rompimento do clube com a empresa, uma das primeiras medidas da nova gestão flamenguista, em 2013, foi o que levou o clube a tentar participar do processo de substituição da Odebrecht no controle do Maracanã. O clube havia se unido à GL Events para fazer parte da gestão do estádio.

No final de março a agência disse ter desistido de concorrer pela gestão do estádio, o que fez com que só restasse a Lagardère nas conversas com a Odebrecht.

Agora, os novos gestores terão de dialogar com o Flamengo. O clube fez em janeiro contrato de três anos para jogar na Arena da Ilha, na Ilha do Governador. Mas tem usado o Maracanã nos jogos da Copa Libertadores. O Fluminense é outro que usará o estádio.