Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

ME diz que TCU fiscalizará entidades

ME diz que TCU fiscalizará entidades

Gustavo Franceschini em São Paulo - SP Publicado em 04/02/2009, às 08h00 - Atualizado às 10h00

Em meio às críticas sobre a utilização que o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) adota para a verba proveniente da Lei Piva, o Ministério do Esporte está relativamente perto de adicionar os clubes a essa conta, que é fiscalizada pelo Tribunal de Contas da União (TCU). A possível inclusão das agremiações, no entanto, não deverá mudar o sistema já adotado para verificar o destino da verba pública. ?O controle existe, e é feito pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Nós vamos aguardar a proposta dos clubes, e aí aplicamos os mecanismos que já possuímos. O que está sendo discutido não é o destino da verba, mas a divisão da mesma?, disse Alcino Rocha, presidente da comissão da Lei de Incentivo ao Esporte e representante do Ministério do Esporte no lançamento do Conselho de Clubes Formadores de Atletas Olímpicos (Confao). O evento, que aconteceu na sede do Pinheiros, em São Paulo, na última terça-feira, foi marcado pela oficialização do apoio do Ministério do Esporte à causa defendida pelos clubes. A entrada das agremiações no jogo dependeria, segundo os dirigentes presentes, de uma conversa mais detalhada e da apresentação de um projeto concreto pelo Confao. Com isso, a pasta vai adicionar ao bolo um setor marcado por gestões fracassadas e más administrações. Dos cerca de 14 mil clubes existentes, menos de 100 apresentam uma situação estável e exemplar, e todos os formadores de atletas podem se candidatar ao benefício. A Confao, no entanto, mantém o otimismo sobre o assunto. ?Esse é um dos principais motivos de o Conselho estar dentro da Confederação Brasileira de Clubes [CBC]. Eles já recebem uma verba da Timemania e tem de repassar e cobrar as agremiações favorecidas e tem uma sistema para isso. Ele vai ser aplicado à lei Piva?, disse Sérgio Bruno Zech Coelho, presidente do Minas Tênis e do Confao.