Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

MP para refinanciar dívidas no futebol gera atrito com CBF

Confederação não esteve presente em evento com a presidente Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto

Erich Beting - São Paulo (SP) Publicado em 20/03/2015, às 11h11

Imagem MP para refinanciar dívidas no futebol gera atrito com CBF

A CBF foi chamada, mas em cima da hora declinou do convite. E, sem a presença da entidade máxima do futebol brasileiro, a presidente da República, Dilma Rousseff, apresentou a Medida Provisória para refinanciar os mais de R$ 4 bilhões de dívidas dos clubes com a União.

A cerimônia realizada no Palácio do Planalto, na manhã de quinta-feira, deu uma mostra de quanto o governo e a CBF estão em rota de colisão. Além de a entidade não se fazer presente no evento, chamado de “Modernização do Futebol”, estiveram no palco representantes do Bom Senso FC, movimento criado pelos atletas e que é a principal voz de oposição à CBF.

A entidade considera interferência do governo parte das contrapartidas colocadas pelo governo. A mais controversa é a que exige do clube que aderir ao programa de refinanciamento participar apenas de torneios cujo organizador não permita mais do que uma reeleição de seus dirigentes. A CBF é o maior alvo dessa proposição.

Os clubes poderão refinanciar as dívidas em até 20 anos. Nos três primeiros, terão direito de destinar entre 2% e 6% de suas receitas para o pagamento de dívidas tributárias e trabalhistas. A partir daí, terão entre 120 e 240 meses para quitar a dívida.

A redução do déficit terá que ser feita em duas etapas. Na primeira, em vigor a partir de 2017, ele não poderá superar 10% da receita bruta da agremiação. Na segunda etapa, em 2019, os clubes terão que limitar o déficit a no máximo 5% da arrecadação.

Pela MP, os clubes que aderirem ao Refis terão de publicar balanço financeiro padronizado, não poderão atrasar os salários, antecipar receitas para além do mandato de quem for pedir o adiantamento, além de ser obrigado a zerar o déficit até 2021.

“A intenção é que se torne viável o fortalecimento dos clubes. O programa vai ser aplicado e, como todos os programas, fiscalizado”, disse Dilma.

A fiscalização deverá ser feita por uma agência, a ser criada.