Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Necessidade ou não de vacina cria polêmica para Tóquio 2020

COI e Japão divergem sobre possibilidade de realizar Jogos em 2021 sem vacina

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 29/04/2020, às 10h42

Imagem Necessidade ou não de vacina cria polêmica para Tóquio 2020

Um mês após a definição de que os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio foram adiados de 2020 para 2021, as autoridades japonesas permanecem receosas sobre a realização das competições sem o surgimento de uma vacina contra o Covid-19. Em contrapartida, o Comitê Olímpico Internacional (COI) não condiciona a realização dos Jogos a isso. Nesta semana, as divergências vieram a público.

LEIA MAIS: Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio já têm novas datas

LEIA MAIS: Coronavírus: saiba tudo que a pandemia afetou no esporte mundial

Na última segunda-feira (27), o presidente da Associação Médica do Japão (YMA), Yoshitake Yokokura, afirmou em entrevista que seria "difícil" organizar as competições sem uma vacina comprovada à disposição no mercado. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, também expressou preocupação com os Jogos em 2021, mas não citou o assunto vacina, admitindo, apenas, que seria "impossível" organizar o evento "a menos que a pandemia do coronavírus estivesse contida".

No dia seguinte, terça-feira (28), o COI rebateu as declarações. John Coates, membro do Comitê Olímpico Internacional e chefe da comissão de coordenação do COI para a Olimpíada de Tóquio, foi categórico ao afirmar à agência internacional Associated Press (AP) que a realização de Tóquio 2020 em 2021 "não depende de uma vacina".

John Coates é membro do Comitê Olímpico Internacional (COI) e chefe da comissão de coordenação do COI para a Olimpíada de Tóquio (Foto: Reprodução)

"O conselho que estamos recebendo da OMS (Organização Mundial da Saúde) diz que devemos continuar planejando essa data e é isso que estamos fazendo, o que não depende de uma vacina. Claro que uma vacina seria legal. Mas continuaremos a ser guiados pela OMS e pelas autoridades de saúde japonesas, porque, nisso tudo, a saúde e o bem-estar dos atletas e de outros participantes dos Jogos são a prioridade número um", declarou Coates, que ainda minimizou o comentário feito por Yokokura, chamando-o de "opinião".

Em meio à polêmica e às divergências, vale lembrar que, há poucos dias, Yoshiro Mori, presidente do Comitê Organizador de Tóquio 2020, chegou a afirmar que, caso não possam ocorrer em 2021, os Jogos Olímpicos e Paralímpicos teriam que ser cancelados, pois não haveria possibilidade de um novo adiamento.

Por enquanto, os Jogos Olímpicos estão marcados oficialmente para serem disputados entre 23 de julho e 8 de agosto, enquanto os Jogos Paralímpicos estão programados para o período entre 24 de agosto e 5 de setembro.