Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Ocaso de estrelas cria dilema para marcas na Copa

Guilherme Costa em em Johanesburgo (África do Sul) Publicado em 05/07/2010, às 13h00

Imagem Ocaso de estrelas cria dilema para marcas na Copa
 - Crédito Redação

- Crédito Redação

Tente imaginar a situação da Adidas: a empresa patrocina o argentino Lionel Messi, eleito pela Fifa o melhor jogador do mundo no ano passado. Graças às atuações no primeiro semestre de 2010, o camisa 10 do Barcelona virou unanimidade mundial. Tamanho status levou a companhia de material esportivo a produzir para ele uma chuteira especial para a Copa do Mundo da África do Sul. O astro disputou cinco jogos, foi eliminado com uma derrota por 4 a 0 para a Alemanha e não marcou um gol sequer com o calçado.

A frustração causada por Messi é apenas um exemplo o ocaso das estrelas na Copa do Mundo de 2010. E com suas principais apostas em baixa, as patrocinadoras se viram em um dilema: direcionar a comunicação a atletas com um desempenho melhor no torneio ou manter o foco nas estrelas para minimizar os resultados da competição?

No caso da Adidas, a opção foi um meio termo entre os dois caminhos. Além de Messi, a companhia precisou administrar a crise técnica do brasileiro Kaká, melhor do mundo em 2007, outro jogador que deixou a Copa do Mundo sem marcar um gol sequer.

“Você não pode dizer que o Messi tenha jogado mal. Ele não marcou, mas jogadores como Higuaín e Tevez só fizeram gols porque receberam passes dele. Trata-se de um jogador fantástico, e não podemos achar que a eliminação da Argentina aconteceu apenas por causa dele”, disse Thomas van Schaik, diretor de relações públicas globais da Adidas.

Apesar de não admitir uma frustração com Messi e minimizar a falta de gols do camisa 10 da Argentina na Copa do Mundo, a Adidas não fez nenhuma ação focada em sua principal estrela durante a competição. No centro que a empresa mantém em Johanesburgo, quadros pintados por artistas africanos destacam outros atletas apoiados pela marca, como Higuaín e Forlán.

A Nike teve posicionamento um pouco mais claro e renovou seu foco durante a Copa do Mundo. A companhia lançou uma versão mais curta de sua campanha mundial, chamada “Write the future” (“Escreva o futuro”, em tradução livre), com o atacante brasileiro Robinho – Ronaldinho Gaúcho, estrela nacional na primeira versão, não foi sequer convocado.

Outros jogadores usados na campanha mundial tiveram desempenho aquém do esperado na Copa do Mundo deste ano. Cannavaro (Itália) e Ribéry (França) foram decepções e caíram na primeira fase. Drogba (Costa do Marfim) ainda marcou um gol, mas teve o mesmo destino. Rooney avançou com a Inglaterra até as oitavas de final, mas saiu do torneio sem balançar as redes.

O jogador que possui na Nike um status comparável ao que Messi tinha para a Adidas na Copa do Mundo, contudo, é o português Cristiano Ronaldo. O lusitano também carregou o status de grande aposta da empresa que o patrocina, mas marcou apenas um gol e caiu nas oitavas de final.

Ainda assim, a Nike manteve a imagem de Ronaldo em um prédio patrocinado pela marca no centro de Johanesburgo. Da mesma forma, a Castrol continuou com um estande protagonizado pelo português no perímetro dos estádios da Copa do Mundo – o camisa 7 da seleção lusitana é o embaixador mundial da marca.

Nos próximos dias, deve ficar ainda mais claro quais foram as empresas que realmente mudaram seu foco. A proximidade da decisão motivará apostas em ações atreladas aos resultados. A Adidas, por exemplo, fará uma entrevista coletiva em Johanesburgo na véspera da disputa do título. Os personagens do evento, porém, serão escolhidos somente depois que as seleções classificadas estiverem definidas.