Olympus contrata Meligeni para ativar US Open

O maior torneio de tênis da América, o US Open, carrega em seu nome a marca japonesa Olympus, em um contrato fechado em 2008, mas com seis anos de duração. No Brasil, por outro lado, o uso da marca como patrocinadora do evento era usada timidamente até então. Com o intuito de reverter a situação, o marketing da empresa contratou o ex-tenista Fernando Meligeni para ser seu embaixador.

A escolha pelo ex-atleta está focada em duas frentes. Primeiramente, a Oympus quer usar o seu nome para se popularizar nas redes sociais. O segundo ponto é a carência de tenistas no Brasil, especialmente com um maior carisma e apelo comercial, para fazer esse papel. Para a empresa, só havia duas figuras assim. Além de Meligeni, Gustavo Kuerten entra nessa lista.

O argentino naturalizado brasileiro se mantém na ativa mesmo após a aposentadoria de uma carreira que lhe levou até um semifinal de Roland Garros. Hoje, Meligeni mantém um blog no UOL, com audiência que a empresa considerou satisfatória, além de uma conta no Twitter com mais de 72 mil seguidores. Essa influência do ex-atleta nas redes sociais pesou na escolha da Olympus.

A ideia é que Meligeni tenha outro blog paralelo, que vá além da sua página pessoal. A Olympus quer que sejam escritos textos sobre a vida de um atleta em um Grand Slam, além de dicas sobre Nova York. A aposta da empresa está no meio digital, por isso a transferência de audiência será valiosa.

Outro método que será usado pela empresa são concursos culturais envolvendo Meligeni. Os detalhes e como eles serão divulgados permanecem em sigilo porque o marketing da Olympus quer lançar uma ação de cada vez. Esse momento, por exemplo, é a hora de divulgar a parceria com o ex-tenista.

O que a empresa sabe que não irá utilizar é um concurso para levar consumidores ao US Open. Em 2010, essa ideia foi ativada, mas a companhia japonesa sofreu com as burocracias que existem no momento para realizar essa viagem. Nesse ano, a pessoa que venceu o concurso cultural não conseguiu visto americano na data necessária, e a Olympus o compensou com outra viagem.

Além de Meligeni, as ações do Olympus para o US Open envolvem relacionamento e ativações de negócios com clientes e parceiros brasileiros. Apesar de a empresa ser japonesa, sua sede para negócios no Brasil fica em Nova York, o que faz com que o torneio de tênis ganhe esse propósito.

Leia mais:

Com Meligeni, Olympus usa esporte para marketing