Palmeiras segue sem empolgar a audiência

Nem Valdívia salva... - Crédito Redação

Nem Valdívia salva... - Crédito Redação

A vitória do Palmeiras no meio de semana, pela Copa Nissan Sul-Americana, colocou o Palmeiras em um novo patamar para o duelo contra o Guarani, no último final de semana, pelo Campeonato Brasileiro. Após a classificação no torneio internacional, o time do Palestra Itália entrou em campo com favorito, revigorado com um suposto novo momento do técnico Luiz Felipe Scolari. No entanto, a audiência ainda não se empolgou com a partida.

O empate sem gols no Brinco de Ouro rendeu 15,7 pontos de média na Rede Globo. Na Bandeirante, o pico não foi além dos 5,3 pontos, com média de apenas quatro. O resultado foi o mesmo do obtido pelo time há duas rodadas, na última vez que o Palmeiras teve um jogo transmitido em TV aberta pelo Campeonato Brasileiro.

No duelo contra o Goiás, no dia 8 de agosto, a Globo registrou média de 16 pontos no Ibope e a Band quatro. Naquele momento, o time paulista estava há cinco jogos sem vencer, mesmo com Scolari tendo assumido o cargo de técnico do time após a Copa do Mundo. A pontuação da audiência foi equivalente aos piores índices do ano envolvendo futebol nacional, o que frustrou as emissoras.

No último fim de semana, Bandeirantes e Globo repetiram o númerod o Ibope, mesmo com o time Palmeirense em um bom momento. Para o torcedor, o jogo também apresentou uma atração a mais: o retorno do meia Valdívia, que entrou no segundo tempo. O jogador não foi capaz de mudar o resultado do jogo, e também não conseguiu atrair mais olhares para os televisores de São Paulo.

Quem também deve ter se frustrado foi o marketing da Schneider Electric. A empresa apostou no suposto bom momento do Palmeiras para ter alta exposição com um patrocínio pontual ao Guarani. Para isso, fechou com o time campineiro a cota máster do uniforme, reservada apenas para esse jogo à multinacional francesa.

Cada ponto no Ibope é equivalente a 58.300 domicílios sintonizados. Os dados da medição consideram apenas a audiência de São Paulo, região de referência para o mercado publicitário.