Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Pioneiro, Fortaleza terá time de futebol em cadeira de rodas

Com Fortaleza Power Soccer, clube cearense faz história na modalidade

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 05/12/2019, às 10h08

Imagem Pioneiro, Fortaleza terá time de futebol em cadeira de rodas

O Fortaleza anunciou, nesta quarta-feira (4), que passará a ter um time de futebol em cadeira de rodas, o Fortaleza Power Soccer. Com isso, a equipe cearense entra para a história da modalidade como o primeiro clube de futebol profissional brasileiro a apoiar uma equipe da modalidade, conhecida como Power Soccer.

O esporte surgiu na França, em 1978, com o objetivo de reabilitar jovens com deficiências severas. Depois, passou por aperfeiçoamentos por mais de 20 anos, até que se tornou oficialmente um esporte. Em 2006, também na França, foi criada a Federação Internacional de Futebol em Cadeira de Rodas (FIPFA), que unificou as regras do jogo. No ano seguinte, o esporte já teve sua primeira Copa do Mundo, que aconteceu em Tóquio, no Japão.

Na América do Sul, o Brasil foi pioneiro na modalidade. O esporte chegou ao Ceará em meados de 2014, quando o atleta Tiago Pinto retornou de um intercâmbio nos Estados Unidos, aprendeu sobre o esporte e arrecadou fundos para montar o primeiro e único time de futebol em cadeira de rodas do Nordeste, o Noho Power Soccer.

O time, comandado pelo técnico David Xavier, disputou o Campeonato Brasileiro em 2014, 2016, 2017 e 2018. Em 2019, na oitava edição da competição, o Noho, que passará a se chamar Fortaleza Power Soccer em 2020, terminou com o vice-campeonato.

Foto: Renan Bittencourt

"Desde agosto vínhamos conversando com a equipe e firmamos a parceria em novembro. Esse apoio é importante, pois, com a visibilidade que um clube como o Fortaleza tem, pode ajudar a modalidade a crescer cada vez mais no Brasil. Como já existia um time dentro do estado que é competitivo e organizado, ficamos felizes em tê-lo como parceiro do clube", explicou Marcelo Paz, presidente do Fortaleza.

Vale ressaltar que o Campeonato Brasileiro de Futebol em Cadeira de Rodas é uma disputa organizada pela Associação Brasileira de Futebol em Cadeira de Rodas (ABFC) e segue as regras da Federação Internacional de Futebol em Cadeira de Rodas (FIPFA). Para participar da competição, os times precisam se credenciar e os atletas precisam estar aptos para a modalidade.

O Power Soccer é o único esporte que promove a inclusão de pessoas com deficiências mais severas. Os atletas devem ter diagnósticos como paralisia cerebral, miopatias, amputações, lesões medulares, entre outros que os façam manipular cadeiras motorizadas para a prática do jogo.

Os jogadores são divididos em duas categorias: PF1 (maior comprometimento motor) e PF2 (comprometimento moderado). Cada equipe deve ter, no mínimo, dois atletas PF1 por partida. Os times podem ser mistos, ou seja, homens e mulheres podem jogar juntos e não há limite de idade.

As cadeiras utilizadas são motorizadas e chegam a 10km/h, enquanto a bola do jogo também é diferenciada, medindo 32,5cm de diâmetro. As equipes podem ter oito jogadores em seus elencos, com quatro titulares e quatro reservas, sendo um goleiro e três atletas de linha. O jogo acontece em dois tempos de 20 minutos, com um intervalo de 10 minutos.