Ponte Preta vê dificuldades para patrocínio máster

Ponte Preta, sem patrocínio máster, na Série A

Ponte Preta, sem patrocínio máster, na Série A

O alívio ponte-pretano tem um nome: Flamengo. O clube carioca ainda não conseguiu fechar um patrocínio máster, mesmo com a força da presença de Ronaldinho Gaúcho no time. Na Série B do Campeonato Brasileiro, a Ponte Preta não conta com estrelas desse porte, mas também busca um acordo para a sua camisa. E tem visto um mercado “esquisito”.

Para o Campeonato Paulista, a Ponte Preta conseguiu fechar duas marcas para o espaço máster: a DNS Automotive nas costas e a Yázigi na frente. Para as mangas, concentrou esforços na busca de um acordo em longo prazo, para pelo menos até o fim deste ano. Não conseguiu fechar e, agora, negocia para o restante da Série B para que a falta da verba não comprometa os planos financeiros do clube.

Perguntado se o mercado está excessivamente inflacionado, o gerente de marketing da Ponte Preta, Nelson Lopes, descartou a possibilidade. “Eu não vejo dessa maneira. Os valores que nós oferecemos estão muito próximos do que eram nos dois últimos anos”, afirmou, descartando a possibilidade de pedir um valor inferior ao atual.

Em sua busca pelo mercado, Lopes não vê a Ponte Preta solitária nesse processo. Além do Flamengo, o dirigente vê dificuldades na maioria dos times da Série B, que não estariam conseguindo alcançar os valores almejados.

O diferencial do clube está no mercado campineiro. A cidade paulista tem o 13º PIB entre os municípios brasileiros, e as marcas locais têm o costume de arcar com esses patrocínios. Nelson Lopes, no entanto, vê o mercado “parado” neste momento.