Por casa cheia, Ourinhos abre mão de bilheterias

Clube preparou festival de prêmios para incentivar presença do público

Clube preparou festival de prêmios para incentivar presença do público

Ao contrário do que se poderia prever, o Ourinhos Basquete não está tendo vida fácil na Liga de Basquete Feminino (LBF), torneio nacional inaugurado no fim de 2010. Com cinco títulos nacionais consecutivos entre 2004 e 2008, a equipe do interior de São Paulo está no quarto lugar e decidiu estimular a presença do público no ginásio para vencer.

Como a liga ainda está na primeira edição e precisa se consolidar no cenário nacional, o clube optou por tornar ingressos gratuitos, com o intuito de manter a casa sempre cheia - próxima da lotação máxima, de duas mil pessoas. Anteriormente, as entradas custavam R$ 5, e agora há até prêmios para quem estiver presente nos jogos.

O Ourinhos criou carnê gratuito para torcedores. Àqueles que comparecerem às partidas do time, serão sorteados produtos como notebook, GPS e bicicleta. "Queríamos promover o festival sem cobrar ingresso, para não parecer que estávamos vendendo o prêmio", explica Júlio Henrique Barbin, presidente da equipe.

Apesar do sucesso em termos de público presente, a renda desperdiçada com as bilheterias não é compensada. A direção do Ourinhos, no entanto, acredita que vale o esforço para manter o ginásio sempre lotado e garante não enfrentar problemas financeiros para manter a equipe, que detém oito patrocinadores.