Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Technogym lançará campanha de combate ao sedentarismo

"Let’s Move For a Better World" quer motivar pessoas a praticarem atividade física

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 03/03/2020, às 06h58 - Atualizado às 09h58

Imagem Technogym lançará campanha de combate ao sedentarismo

A Technogym, marca italiana de equipamentos para treinos físicos, lançará, no próximo dia 16 de março, a versão 2020 da campanha "Let's Move For a Better World" ("Movimente-se por um mundo melhor", em tradução livre). O objetivo do projeto mundial é incentivar as pessoas a praticarem algum tipo de atividade física, principalmente para combater o sedentarismo.

A interação entre todos os participantes da campanha será realizada em diversos países por meio da plataforma MyWellness, sistema presente nos aparelhos da Technogym que registra os dados de rendimento dos usuários, possibilitando, por exemplo, a comparação de resultados, além de ser um canal motivacional a mais para a prática de exercícios.

Foto: Divulgação / Technogym

"O objetivo é conscientizar as novas gerações sobre a importância de se manter ativo, através da prática de exercícios físicos, em uma espécie de interação global de resultados", explicou Ruben Nieto, diretor geral da Technogym no Brasil.

No Brasil, na campanha desse ano, que vai até 4 de abril, as academias inscritas que acumularem um milhão, três milhões e dez milhões de moves (unidade de medidas de movimentos em aparelhos da marca) receberão acessórios Technogym a serem doados para escolas escolhidas por elas. Em 2019, cerca de 1.400 academias, em 32 países, aderiram à campanha, totalizando 200 mil participantes. Essas pessoas acumularam 766 milhões de moves, acabando com 345 milhões de calorias, o equivalente a uma perda de cerca de 49.500 quilos.

De acordo com a marca, a questão do sedentarismo, que leva ao excesso de peso, é compartilhada por mais de 10% da população, aumentando o risco de doenças, como as cardiovasculares e diabetes. Nos últimos anos, o problema tem aumentado mais do que a subnutrição em todo o planeta.