Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Praia marca nova liga universitária

Praia marca nova liga universitária

Gustavo Franceschini em São Paulo - SP Publicado em 19/01/2009, às 08h00 - Atualizado às 10h00

O projeto da Liga do Desporto Universitário, que ?nasceu? na metade do ano passado com a aprovação de R$ 20,2 milhões para a captação via Lei de Incentivo ao Esporte, está a cerca de duas semanas de virar realidade. No dia 29 de janeiro, o II Campeonato Brasileiro de Vôlei de Praia Universitário vai estrear o novo torneio, que já aconteceu em 2008, mas volta totalmente remodelado nesta temporada. A diferença está nos aportes incentivados. Redecard, Nokia, Bauducco, Contax e Papaiz devem garantir cerca de R$ 5 milhões do valor total autorizado. Com isso, a Confederação Brasileira de Desporto Universitário (CBDU) e a Koch Tavares, agência oficial da entidade organizadora sonham com o início de um modelo da NCAA no Brasil. ?Esse novo momento só acontece porque agora temos dinheiro de patrocinadores, de empresas que investiram no projeto, que enxergaram a possibilidade da liga se tornar uma ferramenta de marketing importante. Dá para dizer que essa é uma fase mais vitaminada da Liga do Desporto Universitário?, disse Alcides Procópio, diretor de marketing da Koch. No decorrer do ano, o vôlei de praia vai ganhar a companhia de outros nove esportes. Futsal, basquete, vôlei de quadra, handebol, futebol de campo, futebol de praia, taekwondo e judô são os escolhidos. A inscrição é feita diretamente pelas universidades, que têm de ser filiadas à CBDU. As modalidades mais concorridas podem ser divididas em etapas regionais, estaduais e nacionais, de acordo com a demanda. Os custos devem ser todos da organização, exceções feitas às viagens, que também podem ser incluídas em um patrocínio futuro. A preocupação com os parceiros, aliás, é uma das principais esperanças do plano. ?A gente quer ter parceiros. Empresas que possam fazer ações de ativação, que entrem de verdade no projeto. Estamos abertos a isso, porque entendemos que esse é o jeito correto de trabalhar?, concluiu Procópio.