Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Racing Point virará Aston Martin Racing na F1 em 2021

Montadora britânica deixará naming rights da Red Bull ao final de 2020

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 31/01/2020, às 09h28 - Atualizado às 12h28

Imagem Racing Point virará Aston Martin Racing na F1 em 2021

A Racing Point será rebatizada a partir da temporada 2021 da Fórmula 1. A equipe passará a ser chamada de Aston Martin Racing, o que também fará com que a montadora britânica deixe os naming rights da Red Bull ao final da temporada de 2020 após três anos de parceria.

A mudança ocorrerá por conta de um homem que vem mexendo com a categoria há dois anos. O bilionário canadense Lawrence Stroll, responsável por comprar a falida Force India no meio da temporada de 2018 e renomeá-la para Racing Point em 2019, adquiriu uma participação de 20% das ações da Aston Martin. Ele lidera um consórcio que injetará £ 182 milhões na montadora.

Foto: Reprodução / Twitter (@RacingPointF1)

O investimento fará com que Stroll altere o nome da equipe que tem sob seu comando, além de garantir um contrato de patrocínio de cinco anos com a Aston Martin. A manobra do executivo ainda proporcionará um fato histórico à Fórmula 1, já que a montadora britânica voltará a ter uma equipe com nome próprio após 60 anos. Entre 1959 e 1960, a Aston Martin correu cinco provas na categoria, com dois sextos lugares como melhores resultados.

LEIA MAIS: McLaren fecha patrocínio com serviço de aviação alemão

LEIA MAIS: Ineos ratifica foco no esporte com patrocínio à Mercedes na F1

De acordo com o site britânico SportsPro Media, a chegada de Stroll ocorre em um momento crucial para a montadora britânica, que vinha discutindo maneiras de se sustentar após o que chamou de "desempenho decepcionante" em 2019. A empresa chegou a divulgar planos para levantar fundos de emergência no valor de £ 500 milhões.

Com o investimento, Lawrence Stroll não só ganhará um assento no conselho da Aston Martin como ainda se tornará o novo presidente-executivo da montadora. Na pista, o bilionário não deverá fazer mudanças em relação à dupla de pilotos, que atualmente é formada por seu filho, o canadense Lance Stroll, e pelo mexicano Sergio Pérez.