Record faz oferta de R$ 100 mi a Corinthians e Fla

A Record desistiu, horas antes da abertura dos envelopes, de participar da licitação que o Clube dos 13 promoveu pelos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro na rede aberta durante o próximo triênio. Todavia, a emissora paulista não abriu mão da propriedade. Nesta quinta-feira, o canal emitiu comunicado oficial para dizer que conversará individualmente com os clubes e até escancarou propostas de R$ 100 milhões anuais para Corinthians e Flamengo.

O valor é correspondente apenas aos direitos de TV aberta. Em troca, a Record pede o direito de transmitir um mínimo de 19 jogos de cada um dos times por temporada, de 2012 a 2016.

O comunicado sobre a proposta é uma cartada da Record para tentar ganhar corpo na negociação de TV. A emissora lembra no texto que age de acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e com o acordo de livre concorrência.

Nas duas últimas licitações promovidas pelo Clube dos 13, a Record chegou a flertar com valores bem mais altos do que a concorrência. Contudo, criticou o modelo de disputa em ambos os casos, refugou e não apresentou proposta oficial.

A principal mudança agora é que o Cade encerrou, no fim do ano passado, o direito de preferência da Globo na negociação com o Clube dos 13. Isso mudou a logística da licitação – o grupo chegou a propor um ágio favorável à atual detentora dos direitos, mas a margem foi vetada pelo próprio órgão regulamentador.

Como o veto do Cade era direcionado à licitação do Clube dos 13, existe uma incerteza geral sobre o comportamento do órgão em negociações individuais. O Grêmio, por exemplo, anunciou na última quarta-feira que havia acertado com a Globo.

O principal argumento dos defensores da Globo entre os clubes é que o montante oferecido pelas emissoras não deve ser o único fator considerado na disputa. Como o canal carioca é líder de audiência e tem uma posição consolidada em transmissões de futebol (expertise e tradição), ele tem uma ascendência maior sobre patrocinadores.

A aposta da Record, contudo, é que o Cade direcione a concorrência como uma licitação normal, definida pelo valor. No comunicado emitido nesta sexta-feira, a emissora não fala em valores que pretende pagar para outras equipes.

Confira a íntegra do comunicado emitido pela Record:

“A Rede Record, como sempre agiu desde o início do processo de negociação do Campeonato Brasileiro de Futebol, reafirma sua intenção de negociar, com total e absoluta transparência, diretamente com todos os clubes envolvidos.

Por isso, decidimos apresentar, publicamente, nossas propostas. Assim, todos terão conhecimento dos valores e propósitos oferecidos para cada um dos clubes que disputam a Série A da competição.

A decisão prioriza o respeito aos clubes, torcedores, telespectadores, patrocinadores, autoridades do CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e até concorrentes.

Iniciamos essa etapa da negociação apresentando ao Clube de Regatas Flamengo e ao Sport Club Corinthians Paulista as nossas propostas e, ao mesmo tempo, registramos os documentos em cartório para provarmos que agimos de acordo com as determinações do CADE e da livre concorrência. A proposta é de R$ 100 milhões por ano, para cada um dos clubes, pela transmissão de, no mínimo, 19 jogos a cada temporada dos Campeonatos Brasileiros de 2012 a 2016.

Dessa forma, acreditamos que podemos colaborar com o esporte mais popular do País e que mexe com a paixão dos torcedores.

Clareza de propósitos, negociações à luz do dia, em horário comercial e com respaldo jurídico são os nossos objetivos em todo o processo.

Se as partes envolvidas agirem assim, temos a absoluta certeza de que, nos próximos cinco anos, o futebol brasileiro vai ser protagonizado pelas maiores estrelas do nosso futebol e coroado com a recuperação econômica dos clubes, aumento do interesse dos torcedores e dos telespectadores pelo espetáculo, exibição das partidas em horários mais adequados e ampliação do número de patrocinadores.

Esse é o caminho que a Rede Record acredita que pode perpetuar o Brasil como o país do melhor futebol e também do mais disputado campeonato do mundo”.