Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Recorde da maratona vira trunfo da Nike sobre Adidas

Marcas vêm travando duelo em busca do recorde nos últimos anos

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 17/09/2018, às 07h33 - Atualizado às 10h33

Imagem Recorde da maratona vira trunfo da Nike sobre Adidas

O primeiro maratonista a correr abaixo de 2h. Nos últimos anos, Adidas e Nike travam um duelo velado em busca desse recorde. Neste domingo (16), a empresa americana deu um importante passo em busca da marca, depois que o queniano Eliud Kipchoge correu em 2h01min39s a Maratona de Berlim.  

Kipchoge baixou em 1min18s o antigo recorde mundial da maratona, estabelecido pelo compatriota Dennis Kimetto em 2016, também em Berlim, na primeira vez em que um atleta cruzou uma maratona abaixo do tempo de 2h03min. Kimetto, não por acaso, é um dos principais nomes da Adidas na corrida de longa distância.

Foto: Reprodução

Desde 1967, não havia uma redução de tempo tão grande numa quebra de recorde da maratona. Naquela ocasião, Derek Clayton baixou em 2min23s a marca.

Mais do que a quebra do recorde, a vitória de Kipchoge coroa o projeto da Nike com o queniano. Ele foi o escolhido pela empresa para liderar o Breaking2, nome dado ao desafio de correr a distância de uma maratona em menos de 2h. A Adidas tem projeto similar, mas nunca tornou público seus planos para atingir essa marca. 

“Na Nike, a gente não espera que os sonhos se tornem realidade. A gente trabalha para alcançar o futuro mais rápido, reescrevendo a história e as possibilidades do potencial humano ao mesmo tempo”, afirmou a empresa, ao anunciar o desafio. 

Em setembro do ano passado, a Nike alugou o autódromo de Monza, na Itália, contratou atletas para fazerem o papel de “coelho”, ditando o ritmo das passadas, e usou até mesmo um carro-madrinha para fazer vácuo e permitir a aceleração de Kipchoge, que finalizou a distância no tempo de 2h00min25s. Pelo que se viu em Berlim neste último domingo (16), a barreira das 2h não é mais um sonho tão impossível.