Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Recorde do boxe no DAZN gera debate nos EUA

Para promotor de boxe, plataforma deve aumentar valor de mensalidade após alta audiência

Erich Beting - São Paulo (SP) Publicado em 08/01/2020, às 07h50 - Atualizado às 10h50

Imagem Recorde do boxe no DAZN gera debate nos EUA

A plataforma de streaming DAZN divulgou nesta terça-feira um balanço sobre o consumo de eventos dentro de sua plataforma em 2019. O destaque foi a luta de boxe entre Anthony Joshua e Andy Ruiz Jr., em 7 de dezembro, que foi o evento mais assistido em toda a plataforma no ano.

O resultado levantou um debate nos Estados Unidos. Eddie Hearn, CEO da promotora Matchroom Boxing, que fechou um acordo bilionário para o DAZN exibir as lutas dela, sugeriu que a assinatura mensal do serviço passe a custar US$ 50, em vez dos atuais US$ 19,99. Segundo o executivo, a audiência dada pelas lutas no DAZN é maior do que na TV paga.

"Não queremos que você venha e vá. Queremos que você fique e faça parte desta comunidade, saiba mais sobre boxe, digira os lutadores e cresça conosco", afirmou Hearn.

A luta realizada na Arábia Saudita foi um dos 107 eventos que o DAZN transmitiu em 2019 e que teve mais de 1 milhão de espectadores. Futebol e boxe foram os campeões de audiência. Dos dez eventos mais assistidos, quatro são lutas e seis são jogos de futebol. A final da Liga dos Campeões, que é exibida na Alemanha, foi o segundo evento mais visto.

O DAZN celebrou ainda um aumento no número de horas assistidas de conteúdo na plataforma. Foram 507 milhões de horas de consumo, quase o dobro do registrado em 2018. O futebol é o grande líder dessa lista, com 314,6 milhões de horas consumidas. O meio mais utilizado para assistir ao DAZN é o telefone celular, com 26% do tempo de consumo.

Veja no infográfico abaixo os números divulgados pelo DAZN. O consumo se refere ao consolidado entre os nove países em que a plataforma já opera (Brasil, Alemanha, Áustria, Japão, EUA, Canadá, França, Espanha, Itália e Suíça).