Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Sem principal estrela Falcão, futsal tenta manter força

Jogador foi um dos pilares do esporte para atrair patrocínios durante duas décadas

Duda Lopes - Boston (EUA) Publicado em 06/11/2018, às 07h31 - Atualizado às 09h31

Imagem Sem principal estrela Falcão, futsal tenta manter força

Há uma semana, chegou ao fim a Era Falcão na seleção brasileira de futsal. Nas duas últimas décadas, o jogador se consolidou como um dos grandes astros do esporte brasileiro e ajudou a Confederação Brasileira da categoria (CBFS) a obter novos patrocínios. Agora, a entidade terá que ir ao mercado sem o apelo do atleta dentro das quadras.

As duas agências que trabalham com a CBFS na busca de aporte, a Sportplus e a TFW Marketing Esportivo, irão nos próximos dias apresentar ao mercado as propriedades comerciais da entidade para o ano. Mesmo sem Falcão, há otimismo pela força criada pelo esporte e pelo próprio jogador nos últimos anos.

Foto: Reprodução

"Hoje, a modalidade está forte, consolidada. A cada 'desafio' lançado com a seleção, há ótima audiência da televisão e cerca de 15 patrocinadores que abraçam o evento. O Falcão é importante, mas a modalidade é maior do que ele", destacou o diretor da Sportplus, Marcelo Venâncio, em conversa com a Máquina do Esporte.

Ainda assim, recentemente, a própria agência recorreu a Falcão para conseguir novos aportes. Em 2017, o jogador fez uma parceria com a CBFS para ser embaixador das marcas que apostassem no esporte. A estratégia rendeu diretamente a chegada de três marcas à entidade: Magnus, I9Life e Implante Rio. Os contratos tinham validade de um ano, e agora haverá a conversa para a renovação.

"Ainda não sentamos para negociar, para falar de valores. Mas pelo que eu andei sondando no mercado, há uma boa recepção", reforçou o executivo. Hoje, a Sportplus e a TFW apostam que, mesmo sem Falcão, os valores serão mantidos.

O agora ex-jogador da seleção, no entanto, não está descartado em futuras negociações. Ainda não há nada fechado com o atleta, mas as agências trabalham com a possibilidade de nova parceria, com a participação de Falcão nos próximos contratos, mesmo que sua presença seja mais discreta.

No último ano, a CBFS e as agências tiveram que reunir esforços para mudar a imagem da entidade, que sofreu com crises financeiras na última década e chegou até a perder o controle do esporte profissional para a CBF.

À época, Falcão chegou a se aposentar do time nacional. O jogador retornou no meio de 2017, justamente quando o time nacional voltou a ficar com a CBFS. Naquele momento, as duas agências foram incorporadas ao projeto, com o objetivo de dar maior transparência à gestão do esporte e conseguir mais patrocínios.