Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Serie A perdeu €500 mi em receitas devido à Covid-19

Torneio sofre com os portões fechados das arenas

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 29/09/2020, às 17h08

Imagem Serie A perdeu €500 mi em receitas devido à Covid-19

A Serie A viu o seu faturamento cair €500 milhões desde o começo da pandemia da Covid-19, de acordo com o CEO da liga, Luigi De Siervo. 

Falando na televisão estatal, De Siervo culpou a falta de receita e uma queda nos acordos de patrocínio pela perda, já que os jogos da Série A continuam sendo jogados a portas fechadas. 

"A partir de agora, a Serie A está passando por uma queda de mais de 500 milhões de euros", disse ele. "O sistema inteiro está à beira do colapso". 

O aviso de De Siervo vem com a Serie A considerando ofertas para uma participação em uma nova empresa que supervisiona os direitos de mídia da liga. Segundo a Reuters, os clubes estão analisando uma oferta conjunta da CVC Capital Partners e Advent por uma participação de 10% na nova empresa, bem como uma proposta rival da Bain Capital para a mesma participação. 

A participação na empresa, que controlará o negócio de direitos de transmissão da Série A pelos próximos dez anos, está avaliada em 1,6 bilhão de euros (US$ 1,8 bilhão). 

A Reuters acrescenta que a liga espera receber ofertas finais para seus direitos de mídia até 2 de outubro, após a prorrogação do prazo anterior de 30 de setembro. Os clubes devem se reunir no dia 9 de outubro para analisar as ofertas. 

O interesse nos direitos da Série A não se limita apenas às emissoras tradicionais, com De Siervo revelando que a Amazon e a Netflix estão de olho na cobertura da competição. 

"Acho que teremos surpresas positivas, embora não haja atualmente uma forte competição como nos últimos anos, quando a Mediaset competiu pelos direitos televisivos", disse De Siervo, conforme relatado pela ANSA. 

"Estamos atormentados pelo interesse de grandes plataformas internacionais, como a Amazon e a Netflix. Esperamos que o futebol retorne ao centro do confronto entre tecnologias e plataformas".