SPFC obtém novo recorde de lucro contra Flamengo

Renda líquida são-paulina é quase o dobro do melhor resultado anterior

Renda líquida são-paulina é quase o dobro do melhor resultado anterior

Embora tenha sido vencido por 2 a 1 pelo Flamengo e se distanciado do líder Vasco, o São Paulo impôs no último fim de semana novos recordes ao Campeonato Brasileiro em termos de bilheteria. O aniversário de 51 anos do estádio Morumbi combinado com a volta de Luis Fabiano deram ao clube números praticamente hors concours.

Com a presença de 63.871 pagantes, a equipe tricolor teve renda líquida de R$ 2,1 milhões, quando já foram descontadas despesas com manutenção da arena e pagamento de taxas. O resultado financeiro representa quase o dobro do ápice anterior, do próprio São Paulo, que lucrou R$ 1,2 milhão no milésimo jogo de Rogério Ceni pelo clube.

A título de comparação, a receita líquida são-paulina na derrota para o Flamengo quase equivale a renda obtida pelo rival rubro-negro em todo o campeonato. Após 13 partidas como mandantes, os cariocas conseguiram acumular lucro de R$ 2,3 milhões, mesmo com Ronaldinho Gaúcho em campo e performance acima da média.

Com a sequência de resultados positivos nas bilheterias, o São Paulo está muito próximo de ultrapassar o Corinthians, clube que mais lucrou nesta temporada do Brasileiro com a venda de ingressos. O rival alvinegro possui renda líquida de R$ 7,8 milhões, enquanto os tricolores chegaram a R$ 7,5 milhões com o pico do último domingo (2).

A dupla paulista se distanciou em muito dos outros adversários que compõem a liga. O Bahia, terceiro colocado nesse quesito, lucrou R$ 3,9 milhões até o momento. O Palmeiras levou R$ 3,1 milhões, mas vê as bilheterias murcharem junto com o time. O Flamengo, por fim, com a renda já citada, completa a lista dos cinco primeiros.

O levantamento feito pela Máquina do Esporte levou em consideração todas as partidas de Campeonato Brasileiro, Copa Kia do Brasil e Estaduais - em relação ao último, apenas jogos dos 20 membros da primeira divisão foram registrados. Os números são fornecidos pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) em boletins financeiros.