Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Pinheiros busca patrocínio para ter Jacqueline na Superliga

Clube busca empresa para bancar salário de bicampeã olímpica, que permanece desempregada

Adalberto Leister Filho - São Paulo (SP) Publicado em 23/10/2014, às 09h09 - Atualizado às 11h09

A Superliga feminina de vôlei foi lançada na terça-feira, em São Paulo, mas Jacqueline, uma das titulares da seleção brasileira, permanece sem clube. A principal possibilidade da jogadora, por ora, é receber uma proposta do Pinheiros, clube em que tem treinado para não perder a forma física.

“Estamos atrás de um novo parceiro para conseguir bancar o salário da Jacqueline. Caso a gente consiga, iremos conversar com ela”, contou Antonio Bernardino, gerente de vôlei do Pinheiros.

Segundo o dirigente, já houve conversas com a jogadora. E, caso a atleta aceite disputar a Superliga dentro da realidade salarial do clube, poderá ser integrada ao elenco.

“Se não arrumarmos um novo patrocinador e ela aceitar uma redução salarial, tenho certeza de que meu presidente fará esforços para contar com a Jacqueline no time”, afirmou Bernardino.

A ponteira, bicampeã olímpica (2008 e 2012), integrou a equipe nacional na recente conquista da medalha de bronze no Mundial da Itália. Sem clube, a ponteira optou por ficar no Brasil por causa do filho, Arthur, de dez meses, que teve com o também ponta da seleção brasileira, Murilo, do Sesi.

Para Radamés Lattari, diretor da Superliga, o desemprego de Jaqueline não se deve ao sistema de ranqueamento, que teoricamente impede a formação de supertimes. Cada time só pode ter duas jogadores que valem 7 pontos, a pontuação da jogadora.

“O único clube que já tem duas jogadores de 7 pontos é o Osasco. Todos os outros clubes têm uma vaga. Aí é uma questão de acordo entre o desejo do clube e o da jogadora. É uma coisa que não compete à CBV”, afirmou o dirigente.